Pular para o conteúdo principal

um medo de dar medo

(mais um da série contículos)



Chamava-se Francisca. Não uma Francisca Chica, essa não tinha alcunha. Francisca e ponto, gostava do nome. Era alta suficiente para alcançar suas coisas ficando na ponta dos pés, mas gostava de usar mochinhos. Falava muito, pelos cotovelos, pelos dedos. Quando parecia silenciar, falava com os olhos, os cílios faziam mímica, as pálpebras tagarelavam. Mesmo muda ela era ensurdecedora. Perguntava coisas estranhas. Contava a vida  



Numa tarde, sentada num banco, soprava plumas de um dente de leão que apareceu antes do tempo. Enquanto os pés inquietos pinicavam o chão, passou espirrando um Gustavo de muitos apelidos. Tantos apelidos quanto alergias. A primavera é uma estação linda e impiedosa.



- Olha, ficou careca! – Francisca mostrou a semente desplumada.



Gustavo riu sem mostrar os dentes, fungou um cheiro sério.



- Calma, a primavera já vai acabar. Se bem que o início do verão também pode ser um problema pra ti. Sabia que essas sementes com pluminha só aparecem no verão? Esta veio antes do tempo!



Ele permaneceu imóvel e calado observando, tempo suficiente para que ela notasse que ele amarrava os tênis com tope, usava as meias simetricamente na mesma altura das canelas e o cabelo bem escovado.



- É a primeira vez que te vejo por aqui.

- Não saio muito de casa. Tu sempre vens aqui?

- Todos os dias! Aqui é a continuação do quintal da minha casa... porém, com mais pássaros.



Francisca tentou ajeitar a trança feita pela manhã. O cabelo não veria pente pelo resto do dia. As meias estavam desengonçadas, os tênis amarelados. Os cadarços receberam tope uma vez só na vida. Jamais serão desfeitos ou feitos. Francisca não perde tempo com pequenezas. Prefere dar laço nas pessoas.



Francisca olhou de novo. Se o amor acontece em algum momento, foi naquele. Ela percebeu que ele tinha o brilho da lua nos olhos. Ele era concentrado em timidez.



Nas outras vezes que conversavam, ela percebeu que ele tentava aprisionar o riso. Quando a gargalhada fugia, tentava capturá-la de volta. Ele gostava dela, guardava isso como se pecado fosse. Ela sabia e fingia que não.



Numa das tagarelices dela, durante os encontros casuais, ele falou que ela era um problema. Francisca não se ofendeu. Na verdade, não entendeu muito bem, teve preguiça de perguntar, ele também não falaria. Ele tremia, ela percebia. Gustavo, todo engomadinho, morria de medo de qualquer coisa, inclusive de chegar muito perto de Francisca. Ela tinha medo de dar (mais) medo nele. Assim, nenhum dos dois fazia nada, o que não era o normal da elétrica Francisca, com suas faíscas desordenadas.



Ele nunca a convidou pra dividir um sorvete.



Ela fez uma casa na árvore.



Quando ele passava, ela, do alto repetia para se convencer:



- Melhor bem te ver com os bem-te-vis.

Nunca foi fácil ter seis anos.

Minha amiga Zabeti disse que minha mãe podia me levar pro PLAY. hahahaha
I looooove you, Fox!

____

Apenas para reiterar que eu sou muito favorável às causas das pessoas-problemas! Voto para que todo mundo tenha na vida uma encrenca das boas. Tanto que óóó http://louheine.blogspot.com/2011/06/oculos-para-ver-encrenca.html


Sem mais!

----

Quando a gente conversa
Contando casos, besteiras
Tanta coisa em comum
Deixando escapar segredos
E eu não sei que hora dizer
Me dá um medo, que medo


É que eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
É, eu preciso dizer que eu te amo tanto


E até o tempo passa arrastado
Só pra eu ficar do teu lado
Você me chora dores de outro amor
Se abre e acaba comigo
E nessa novela eu não quero
Ser teu amigo


É que eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
É, eu preciso dizer que eu te amo tanto


Eu já nem sei se eu tô misturando
Eu perco o sono
Lembrando em cada riso teu
Qualquer bandeira
Fechando e abrindo a geladeira
A noite inteira


Eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
Eu preciso dizer que eu te amo tanto

Comentários

Keila disse…
Adoro os contículos!
Carlos disse…
Just Kuky it!
E tenho dito...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…