Pular para o conteúdo principal

eu sou grande

Andar descalça na grama, sentar na calçada para contar as estrelas, cheirar a caixa nova de lápis de cor, essas são lembranças da minha infância que ainda pratico. Não posso dizer que as resgato porque nunca deixei de fazer. Fazia naquela época que o meu pai cortava a minha franja torta antes do banho. E precisava aquecer no bafo a tesourinha de cortar as unhas. Hoje dou conta da minha própria franja e de todas as minhas unhas. Crescemos nos detalhes.

Mais do que aprender a dirigir, trabalhar, cuidar da casa, do dinheiro, do filho e da família, crescer é não abandonar a infância. Não se faz um muro entre as idades. Eu ainda brinco de adivinhar a cor do próximo carro nas viagens chatas. Ainda sento no chão e como com as mãos, faço farelo. Ainda imito peixe nos espelhos e vitrines das ruas, corro dentro de casa para buscar as coisas e caminho de costas para testar se esbarro em algum móvel. Sempre esbarro. A diferença é que antes as quinas miravam a minha cabeça, hoje as vítimas são as pernas.

Não pretendo deixar minha infância guardada num álbum de fotografias ou sentada em alguma prateleira. Ela vem comigo. Que isso não se confunda com infantilidade – mesmo com as situações que me permito. Apenas acredito que é possível não abandonar a criança. Não quero me deixar no orfanato do tempo, gosto de me ter vendo graça em brincadeira boba, comendo sorvete até explodir. Não sei ver bola sem chutar! Não sei ter pudor para abusar da inocência. Outro dia me peguei tentando usar os sapatos da minha mãe.

Trazer essa simplicidade infantil para a vida adulta me deixa mais tranquila. Nunca me desfiz da imaginação de criança, do gosto por arriscar, não abandonei minha teimosia, nem a mania de dar pulinhos e agitar as mãos quando fico extremamente feliz, ou olhar muito séria para alguma coisa que eu desejo que suma. Isso também vale quando quero que alguém suma. Nunca deu certo. Vou continuar tentando. Ok, me chamem de ridícula.

Talvez a gente não precise levar tão a sério o que tem pouca importância, talvez construir um castelo na areia seja mais interessante do que ler o jornal na beira da praia. Exércitos que nunca existiram tentando cruzar os muros que a água do mar vai levar depois. Troco fácil uma noite de festa por uma noite campeonato de vídeo game.

Ter crescido sem abandonar a infância tem muitas vantagens. A melhor delas é não ter hora pra dormir.

A brincadeira invade a noite, mas nem todo mundo percebe.

----
 
 
 
 
ESTE TEXTO ERA PRA TER SIDO PUBLICADO NA SEMANA PASSADA. ANDEI VIVENTO DEMAIS E ME PASSEI... POR ISSO, PRA NÃO ENROLAR MAIS AINDA, VAI ASSIM, SEM MUSIQUINHA!
 
 
 
Às vezes nós temos a mesma idade.

Comentários

Carlos disse…
Essa "Criancice" madura é que te faz assim tão Kuky...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…