Pular para o conteúdo principal

não resolvido


Eu disse que não vou. Instantes depois, já estou voltando. Pratico boicotes contra as minhas resoluções, pratico auto-desobediência. Tentei elaborar uma série de promessas de ano novo. Tudo que eu consegui foi encontrar motivos pra não cumprir nenhuma. E antes da meia-noite. Antes do brinde que acompanha desejos ao pé do ouvido entre abraços fraternos. As estrelas não testemunharam porque a noite era nublada. Tentei pendurar no nada as minhas decisões e o nada, com a umidade da noite, borrou a letra imaginária da minha lista inexistente.

Sou do tipo das inresoluções. Em vez de resolver errar menos. Resolvo escolher o erro. Errar bem feito. Mas não vou fazer. Sou desgovernada o suficiente para atropelar até mesmo a escolha dos meus equívocos. Então, que eu possa ao menos reconhecê-los. Que me sirvam de lição.

Um dos meus maiores problemas é que sempre fiz o tema de casa. Podia até ser relapsa no comportamento. Tema de casa, independente da quantidade, estava sempre feito. Sigo assim, com os estudos, com as análises, pensando até sair fumacinha. Minha resolução de ano novo foi deixar que eu me surpreenda com o improviso. Em vez de detalhar o perfil e traçar comportamentos, aceitar que posso ter que mudar de ideia. Acho que não vai dar. É geralmente nessas situações que eu corro sem rumo. Atravesso continentes sem dar tchau, trocando o lugar da saudade.

Queria dormir mais, dormir melhor. Sinceramente, acho que não preciso. É mais um desejo para agradar alegrias alheias. Ficariam felizes de me ver mais sonolenta, aproveitando a noite na cama, dormindo. Em vez disso ando batendo os pés por aí, enroscando as mechas desalinhadas da minha franja em armação de óculos, letras, aspas, outras franjas, notas musicais, sinceridade, sentimentos e girassóis. Não preciso dormir. Sonho acordada. Dormir bem requer muito chá. Eu gosto mais de café.

Prometi ser mais empenhada em procurar os sentidos das minhas escolhas. Percebi que isso não faria o menor sentido. Desisti porque sentido é passado de verbo sentir. E este eu quero conjugar sempre na primeira pessoa do singular: eu sinto (muito).

Há uma resolução que talvez mereça meu empenho em ser cumprida: continuar sem nenhuma tatuagem na pele. Cicatrizes, sardas, arranhões, manchas são bem recebidas. Essas historinhas meio sem querer que ficam gravadas sem permissão. Às vezes somem. Minhas canelas abrigam hematomas como se fossem caixeiros viajantes, são hospedarias movimentadas. Culpa da minha agitação – com uma pitada de babaquice. Sem tatuagens, não quero expor o íntimo além da nudez. E realmente, não saberia o que tatuar. Sempre tive muitas ideias pra tatuagem. Ficavam ultrapassadas antes que escolhesse o tatuador: borboleta, dragão, frases, apelido, letra de música, estrelas, gatos, infinito, passarinhos. A mais sensata talvez tenha sido uma simples palavra: vento. Com a minha própria letra. Mas explicar o porquê já seria ficar nua além da nudez. Quem sabe outra hora.

Resolvi não ter resoluções. Vou apenas descumprindo. 


o vento e eu, história de amor. 
Devoção.




Wind Of Change

I follow the Moskva
Down to Gorky Park
Listening to the wind of change
An August summer night
Soldiers passing by
Listening to the wind of change


The world is closing in
Did you ever think?
That we could be so close, like brothers
The future's in the air
I can feel it everywhere
Blowing with the wind of change


Take me to the magic of the moment
On a glory night
Where the children of tomorrow dream away (Dream away)
In the wind of change


Walking down the street
Distant memories
Are buried in the past forever


I follow the Moskva
Down to Gorky Park
Listening to the wind of change


Take (take) me to the magic of the moment
On a glory (glory) night
Where the children of tomorrow share their dreams (Share their dreams)
With you and me (You and me)


Take (take) me to the magic of the moment
On a glory (glory) night
Where the children of tomorrow dream away (Dream away)
In the wind of change (Wind of change)


The wind of change blows straight
Into the face of time
Like a storm wind that will ring
The freedom bell for peace of mind
Let your balalaika sing
What my guitar wants to say


Take (take) me to the magic of the moment
On a glory (glory) night
Where the children of tomorrow share their dreams (Share their dreams)
With you and me (You and me)


Take (take) me to the magic of the moment
On a glory (glory) night
Where the children of tomorrow dream away (Dream away)
In the wind of change (Wind of change)




Comentários

Carlos disse…
Prometa apenas nunca deixar de ser Kuky!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…