Pular para o conteúdo principal

oral b


Coleciono desastres. É sério. Eu sou um desastre pra um montão de coisas: dançar junto, fazer pudim, empinar pipa, acender lareira e fazer surpresa. Eu entrego a surpresa antes do tempo. Não sei conter a minha expectativa, apresso os resultados. Dizem que o apressado come cru, pois eu sou tão apressada que sirvo cru pro outro comer. Não sei comprar presente antes e esperar pra dar. Preciso esconder o pacote. Esconder de mim, claro. Dou bandeira. Pergunto se prefere verde ou azul, sendo que eu já comprei verde mesmo. Fico medindo a pessoa pra ver se vai servir. Não sei brincar de quente e frio, já vou apontando logo: aqui é a Sibéria, pra lá é o Caribe.

Há anos minha irmã organizava as festas surpresa de aniversário pra mim. Cabia a mim exercitar a paciência, enrolando as horas pra chegar em casa a tempo de fingir que não sabia de nada, vendo os balões e o bolo. Hoje ela organiza a própria festa e eu a surpreendo invadindo. A data dos nossos aniversários tem diferença de uma semana, ela faz dia 18, eu dia 25 de janeiro. É um jeito de economizar os parentes. Já que estão ali, aceito parabéns – e presentes – antes de completar mais uma primavera. Aliás, nunca entendi por que dizem isso. Mais uma primavera. Janeiro é verão, bem verão. Completo mais uma de todas as estações.

Além da minha irmã, quem gosta de me fazer surpresas é o destino. Sim, acredito em destino, mas não esse que está escrito e assim será. Não. Acredito em ação e reação, num universo cheio de energias que vão confabulando para construir tudo que acontece. A gente ajuda. E também atrapalha. Cada um tem na ponta do nariz o condão de direcionar pra onde vai. O que vem depois é reação da escolha. Inclusive as coincidências.

Coincidências são improvisos do destino. Umas brincadeiras de última hora, uns desaforos interessantes, sei lá. Mas olha que interessante, são justamente as coincidências que aproximam as pessoas. Por exemplo, Abrahan Lincoln e John Kennedy.  Os dois foram assassinados, o primeiro na sala Ford do Teatro Kennedy. O segundo num carro Ford, modelo Lincoln. Mais que isso, uma semana antes da morte, Lincoln estava em Monroe, Maryland. Kennedy, uma semana antes da morte estava em Monroe, Marilyn (não preciso explicar, né?). Essas são as curiosidades que eu lembro, mas eram várias que aproximam os dois.

Por muitas felizes coincidências, pessoas cruzam o nosso caminho. Por um momentinho ou por uma eternidade, dividem o mesmo destino. Pensar nisso dá um nó na lógica, mas ao mesmo tempo coloca umas pecinhas no quebra-cabeça que é estar vivo. As coincidências exigem atenção, são detalhes. 


O destino não deixa bilhete na geladeira. Ele deixa vai escrever na sopa de letrinhas. Ou você está atento, ou come o recado.

Então acontecem as surpresas.

Os quartos são separados por pedras irregulares, pra cá da rua, par. Pra lá da rua, ímpar. Aliás, par ou ímpar? “O meu gato e o teu cachorro fizeram parte da mesma novela”. Já foram no mesmo show. Já dividiram o mesmo mar, a mesma areia, a mesma lua, o mesmo muro, uma garrafa de vinho tinto e quem sabe alguns amigos.

Mas na noite que dividiram o mesmo travesseiro, enrolando os cachos entre fronhas e lençóis, a maior surpresa foi descobrir que usam a mesma escova de dente.

A dela, rosa. A dele, verde. 











Eis um típico aniversário invadido por mim. Sou usurpadora de parabéns.








Não tem música. Tem Drummond.

Reverência ao destino


Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer "oi" ou "como vai?"
Difícil é dizer "adeus", principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida.
Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só.
Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.
Difícil é segui-las.
Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.


Comentários

Gui disse…
Porra, Bocão, falar em destino sem colocar aquela do Luiz Marenco: Porém o que me arrebata é o destino de xirú. Que em vez das pilchas de prata,as garras de couro cru! hahahaha

Sexta tem nosso almoço quero saber dessas escovas.

bj gui
Keila disse…
Amei Kuky. E, muitooo, me identifiquei.
Adoro esse texto do Drummond.
Carlos disse…
Estarias estas escovas de dentes Side by Side!?!?!
Uma ex minha dizia que isso era o ápice da intimidade...
just KUKY it disse…
GUI: Luiz Marenco é GÊNIO, como não lembrei? Dá zero pra mim. KEILA, esse Drummond é tri aquariano hahaha. CACO, as escovas não dividiram nada a não ser a pasta de dente. Eu já acho que o ápice da intimidade é usar a camiseta do outro pra dormir. Depois explico...

Beijos
Z. disse…
Gente! SENSACIONAL! AMO quando tu posta repleta de amor!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…