Pular para o conteúdo principal

porta dos desesperados

Viver é um verbo dinâmico. E a vida é uma boa desculpa. Para aquilo que não se explica, a vida, ponto. Explicado está. Ainda assim, raros são os que vivem, porque isso implica em escolhas, mais do que é confortável. Viver ultrapassa abrir o olho pela manhã e enfrentar um dia. Não se resume a ter nascido para existir no intervalo até a morte. Isso é banal. Isso é fácil. Qualquer um faz.



Acredito que a cada dois passos surgem diversas portas na frente do meu nariz. É um corredor sem fim de portas de todos os tamanhos, de diversas cores, algumas entreabertas, outras com fechaduras, cadeados, maçanetas douradas, trancas de madeira. Eu me preocupo com as que têm olho mágico, porque não consigo ver o lado de lá antes de empurrar e ouvir ranger as dobradiças. Apenas a porta me vê, estuda as minhas possibilidades, analisa a minha surpresa. A única vantagem que tenho é a escolha. A porta não pode me escolher, mas me conhece. Eu, sobre ela, apenas suponho.



Justamente o que me intriga são essas incertezas. Não tenho medo das possibilidades, por não as conhecer. Tenho curiosidade. E quando me perguntam “afinal, o que tu procura?” Eu apenas posso fazer escolhas. Dizer o que eu não procuro, o que eu não quero, do que eu não gosto é fácil. Tão fácil quanto existir nesse intervalo entre nascer e morrer. Ninguém se conhece tanto para ter certezas do que quer. A gente vive mesmo é de dúvida. Quando o mundo me planta interrogações, eu respondo com perguntas. Eu sei exatamente o que eu não sou. De resto, sou vaga desconfiança, com uma série de lembranças, pimenta, TNT, melodias e cobertura de chocolate. Pouco importa o sentido que isso faz. Em realidade, o caos faz bem mais sentido. As contradições são mais ricas de possibilidades.



Quem segue firme numa reta abrevia o mundo.



Quem não torce o pé, não cai em buraco, não topa em pedra alguma, não sabe rir porque jamais chorou. Não confio em quem não verte decepção pelos olhos. Aliás, não confio em quem não vaza de saudade, de amor de felicidade. Não sentir nada também não tem sentido.



Cada porta aberta é um convite irrecusável. A passagem é obrigatória. As outras são renunciadas e somem, mais adiante, mais portas, mais caminho, mais labirinto, trilhas, morros e montanhas. Tenho dias de montanha, quando fé alguma me move. Tenho dias de pluma, quando qualquer brisa me leva. Vou do fácil ao impossível em questão de segundos.



Mas e quando a porta aberta é um erro?



Lamento, impossível voltar atrás e escolher uma nova porta. Elas não estarão mais lá, não aquelas. Novas portas surgirão sempre à frente, sem que isso seja, necessariamente uma evolução. Elas fitarão um novo alguém pelo olho mágico. Então o que impede de retroceder?



A experiência.



São essas as gotinhas que enchem o copo inteiro da vida. Quando a gente aprende que elas não precisam ter sentido, em vez disso, precisam ser sentidas, a gente deixa de existir. Aí sim, é vida. Disso tudo o que fica é a falta de pudor pra amar com liberdade.




dialoguinho de amigos & vinho (sexta produtiva sem passar do portão!)


A: Preciso que tu me cedas um vinho.



B: De novo? Eu vou contigo no super!


A: Preciso que tu me cedas um vinho e companhia.


B: Ah, não, tirei a noite pra ficar comigo. Não te quero me atrapalhado.


A: Nem que eu já tivesse bebido a garrafa inteira conseguiria atrapalhar teus pensamentos...


B: Não?!


A: Não, sou praticamente teu alterego.


B: hahaha não é, se fosse, brigaríamos muito.


A: Nós sempre brigamos muito, só que nunca é sério...


B: É?! Então desperdiçamos brigas à toa???


A: Sim... vamos tomar esse francês?


B: Não. Muito caro pra beber contigo.


A: Poxa, sou teu alterego e estou até de camisa!


B: Ok... mas eu abro!






****






A: Acho que devemos pedir uma pizza.


B: Acho que devemos ouvir Queen.


A: Pode ser Beatles?


B: Pode ser torrada?






****






A: Quanto custou esse vinho?


B: Uns setenta reais.


A: Que caro pra combinar com torrada!


B: Não tenha regras, aprecie os prazeres.


A: Olha quem falando, a rainha dos princípios, meios e fins...


B: Ah, mas eu não tenho regras, não muitas.


A: Você é desregrada, isso é diferente. Até as tuas regras são desregradas.


B: É sim... ai, fazia tempo que a gente não sentava pra conversar. Precisamos fazer isso mais vezes, eu gosto do jeito que tu me entende.


A: Não te entendo, te aceito, assim... filosoficamente falando.


B: Assim, filosoficamente falando, vai te catar!






****


A: Sabe de uma coisa? Você deveria repensar a tua meta de não casar.


B: Não tenho meta de não casar... De onde tu tiraste isso?


A: Vou reformular, você devia pensar em casar!


B: Por que isso agora?


A: Porque você é fiel.


B: Casamento não vive só de fidelidade!


A: Não estou falando só de fidelidade homem e mulher, de não trair o marido. Você é fiel nas convicções. Mesmo que mude de hora em hora, fundamenta, defende como se fosse um filho. Bate o pé por elas, não muda a alma de casa quando ama. Aceita que a tua alma seja a casa do outro.


B: Não é verdade, não gosto de intromissões na minha vida. Tu já estás invadindo a noite que reservei pra ler e escrever... Hoje era pra estar no meu umbigo, sozinha. Oh, Deus, estou me traindo contigo!!! A que ponto cheguei?!






****






B: No fim das contas, tua situação ficou como.


A: Na mesma. Uma merda. E você, como está?


B: Igual.


A: Então somos dois na merda! Hahaha


B: Eu não disse isso!!!






****






A: E aí...


B: O quê?


A: Qual o plano de fuga?


B: Não há.


A: Já vi esse filme.


B: Então vamos trocar de canal.


A: Filosoficamente falando?


B: Sim.
_+_+_+_+_+_+_+_

Vinho francês + Camus + Carla Bruni...

On me dit que nos vies ne valent pas grand chose



Elles passent en un instant comme fanent les roses

On me dit que le temps qui glisse est un salaud

Que de nos chagrins il s'en fait des manteaux



Pourtant quelqu'un m'a dit

Que tu m'aimais encore

C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore

Serais ce possible alors



On dit que le destin se moque bien de nous

Qu'il ne nous donne rien et qu'il nous promet tout

Parait qu'le bonheur est à portée de main

Alors on tend la main et on se retrouve fou



Pourtant quelqu'un m'a dit

Que tu m'aimais encore

C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore

Serais ce possible alors



Mais qui est ce qui m'a dit que toujours tu m'aimais

Je ne me souviens plus c'était tard dans la nuit

J'entend encore la voix, mais je ne vois plus les traits

Il vous aime, c'est secret, lui dites pas que j'vous l'ai dit



Tu vois quelqu'un m'a dit

Que tu m'aimais encore, me l'a t'on vraiment dit

Que tu m'aimais encore, serais ce possible alors



On me dit que nos vies ne valent pas grand chose

Elles passent en un instant comme fanent les roses

On me dit que le temps qui glisse est un salaud

Que de nos tristesses il s'en fait des manteaux



Pourtant quelqu'un m'a dit

Que tu m'aimais encore

C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore

Serais ce possible alors



Comentários

Anônimo disse…
Bóóóó.
Carlos disse…
Kukynha, como o video da minha xará Bruni estava antes no Face, li o post ao som dela. Muito apropriado. Faltou o vinho para ficar perfeito... Teu Mestre Schopy te aplaude de pé!

Filosoficamente falando, nascestes sabendo a diferença entre o Viver e o Existir...

A propósito, algumas vezes é interessante bater nas portas fechadas... TOC!TOC! Surpresa!

Foto tudo a ver com o texto!
thiago disse…
sempre linda, a mais inteligente princesa que eu conheço.
beijo
Paula disse…
Ameeeei, vou mandar para as minhas amigas. BEIJOOOOS

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…