Pular para o conteúdo principal

faz-se mundo

Procura-se alguém disposto a fazer mundo. Porque das pessoas que fazem tempestades em copo d’água, eu já estou farta. Por favor, apaguem esse holofote, desliguem a fumaça, mandem embora a platéia. Não quero esse picadeiro por aqui. Pelo menos não pra falar de amor. Não para sentir paixão.



Andei aprendendo que sentimento é confissão e que não se gosta sem antes ajoelhar para assinar na linha pontilhada a autoria de pelo menos um crime. Que por mais que alguma sedução seja necessária, a cara lavada das manhãs de domingo é o que faz um par seguir. Não é o amor cru, não é o ciúme ou a falta dele, não é o bilhete de eu te amo postado embaixo do travesseiro ou as rosas mandadas sem motivos, não é o romantismo, nem as noites de sexo ou os jantares à luz de velas, beijos de cinema, despedidas de novela no portão de casa. Isso alimenta, é o que engorda. E não é a não entrega o que preserva ou protege ninguém de chorar na companhia dos azulejos do banheiro. A gente toma paulada na cabeça e é proibido que isso justifique o desamor, a inércia de gostar, o vazio de sentimento. Os dias precisam de cor. Amigos são as melhores coisas do planeta, família é indispensável, trabalho é prioridade, mas o sentido da engrenagem vai pro lado certo com o coração quentinho. Mesmo que seja um coração saltitante, conjugar o verbo que o faz bater é uma necessidade física, talvez biológica, que a química tenta explicar.

 Ninguém se salva de ser surpreendido por um abraço com encaixe perfeito, mãos macias promovendo carícias impossíveis de serem dispensadas. Um sorriso racha no meio da nossa cara e a gente nem se dá conta.

- Qual a graça?

- Estou rindo?

- Sim, está.

Fazer mundo é complicado. Precisa de investimento, precisa ficar descalço dos costumes e nem sempre a pisada é confortável. E por que abrir mão da liberdade para abrigar na vida um estranho? Carpinejar já disse que liberdade na vida é ter um amor pra se prender. Eu concordo. Nunca fui tão livre quanto nas horas em que amei. Isso só se sabe quando se experimenta, por isso, independente de todas as batidas de cara contra o muro, eu acredito no amor. Sem vergonha alguma. Sem preonceito algum, amores de todos os tamanhos, cores, com todas as peculiaridades.

E nem romântica eu sou.

Desagrada-me quem faz de um fio novelo. Costumo amarrar meus fios, costurar com eles, unir, dou aquele laço no dedo pra lembrar. Gosto de quem me dá linha, mais ainda de quem me dá corda. Gosto quando tudo parece combinar e nada parece ter sentido. Eu gostava de estar fazendo a coisa errada e jamais querer saber se haveria acerto. Tenho saudade de pequenos gestos, como ajeitar minha franja que insiste em cair nos meus olhos... E quando tudo se afoga em um copo d’água, somos forçados a deixar os dias pra trás. Voltaremos a sorrir.

- Qual cor tu vais pintar?



- Laranja.


- Por quê?


- Bolei uma nova decoração.


- O que aconteceu? Brigou? Amor novo? Amor velho?


- Nada, só quis reformar o quaro...


- Tu sempre fazes isso quando acontece tem alguma mudança...


- Juro, nada não... a não ser...


- O quê???


- Prometi que não vou mais fugir.


- E agora???


- Agora corro trinta minutos na esteira...


- Não sei o que te dizer...


- Preciso correr mais?


- Não, decidir se isso é treino ou válvula de escape.




 

Life it seems so cruel

can?t believe that I lose

all my face and my cool

and my faith and my cool



life it seems so strange

can?t believe we behave

just like adam and eve

just like liars and thieves



(chorus)

And I found it hard to find

A day got left behind

I would trade it for a smile

Can one day change your life

Can one change your life



Life it seems so cold

Can?t believe we get old

hope I die before I

get ugly and old



life it seems so strange

can?t believe we behave

just like adam and eve

just like liars and thieves



(chorus)

And I found it hard to find

A day got left behind

I would trade it for a smile

Can one day change your life

Can one day change



love it comes only once

when its right

throw the first punch



La La La La La La

Comentários

alice disse…
EU GOSTO TANTO QUANDO VOCE FALA DE AMOR, DEVERIA FAZER MAIS VEZES. O DESENHO É SEU?
Anônimo disse…
tens muita sensibilidade, no amor e na escrita.
Carlos disse…
É Kukynha, fazer o mundo é deveras complicado...
E se fosse fácil, teria graça??

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…