Pular para o conteúdo principal

breve história de amor em um ato

Esqueci a sutileza no elevador. Multipliquei a minha capacidade de fazer barulho, liguei a deselegância no amplificador, com os dois pés na porta, entrei.



- O que é isso?

- Oi, preciso te contar uma coisa...

- Eu nem te conheço.

- Eu sei e talvez nunca vá conhecer. Se conhecer, talvez prefira negar, achar que não ou fingir, desconversar. Eu sou alguém por quem se apaixonar. Isso vai te deixar culpado, ainda que nenhum de nós dois vá entender o porquê, apenas vai. Ah, confuso também. Tu vais tentar me evitar desde o início, me assustar, me afastar e me repelir. No fim das contas, vai conseguir, mas não vai ficar satisfeito.

- Eu não estou entendendo nada.

- Jamais entenderemos. Vamos nos ocupar em viver e atropelar tudo. Não vamos começar do início, vamos direto pro meio e nesse meio tu vais querer colocar um fim. Vários fins. Vai ser dedicado aos pontos finais, que uma hora eu me esforçarei pra transformar em vírgula, depois conseguirei te impor algumas reticências, até que uma hora teu ponto final vencerá. Terá glórias, mas não alegria, porque ainda que não assumas jamais, a paixão não sumirá. Ela vai consumir um pouco do que sobrou a cada dia, até não sobrar mais nada, a não ser a própria paixão. Solitária, guardada, sem crescer ou diminuir, paralítica. Será o retrato da ampulheta cuja areia se recusa a escorrer. E sabe do mais incrível?

- Tu só podes ser louca, mas estou curioso. Senta.

- O mais incrível é que o amor virá do nada. Virá como um vento. Ninguém quer saber de onde vem o vento, todos perguntam de onde vem o amor. Como chega sem avisar? Veio tão cedo... e poucos acreditam que o amor não quer nada em troca. Precisa apenas existir. Fica, apenas isso. Simples e complicado. Gostaremos dos mesmos filmes, das mesmas músicas, o universo inteiro vai conspirar a nosso favor.

- Tu me amas?

- Sim. Juro pelos meus joelhos.

- Repete?

- Por quê?

- Gostei da tua pronúncia do jota...

- Eu vou gostar disso, desse teu charme de prestar atenção no jeito que eu falo e não no que eu digo. Desfiarei muitas teorias, quebrarei histórias para que tu jamais prestes atenção. Vou ajeitar a gola das tuas camisas em vão. Unirá os cílios pra dizer que não me ama, mas vai rir muito mais e sem perceber. Veremos filmes, disputaremos jogos de criança, conquistarei o território do teu sofá. Jamais beberemos, mas guardaremos as rolhas dos sentimentos que brindamos juntos sem dar nome, sem ter explicação. Vou costurar meu corpo dentro do teu abraço. Nossos momentos precisarão respirar, ficarão emoldurados nas prateleiras invisíveis das paredes escuras, porque vai ser mais fácil assim pra tu não veres.

- Por que eu não iria ver?

- Porque tu não queres.

- Por que não?

- Porque tu vais me mandar sair.

- Vou?

- Sim. Vai me acusar de cruel, dizer que tenho uma vida muito serinha.

- E a minha não é?

- Deve ser...

- E o que isso importa?

- Não sei, essa frase é tua. É teu argumento para me mandar sair!

- Eu nunca faria isso.

- Vai fazer pior. Vai supor coisas sobre mim, sobre o que eu penso, sobre o que eu quero, sobre o que eu espero, sem nunca me perguntar. Vai acreditar que quero em troca o que eu jamais pedi... Ainda assim eu vou achar que tu é um diamante bruto.

- E tu queres me lapidar? É isso?

- Não... gosto de ti assim. Gosto até da tua falta de cuidado, da preguiça de cozinhar as palavras, da pressa de avaliar minhas manias, de me julgar pelos outros, de tentar me rotular por coisas que eu não sou. Vou gostar disso pra te surpreender e vou querer te mostrar o tanto de errado que tu estás.

- Vai?

- Sim. E tu farás olhos de prece, me mandando sair quando eu quiser ficar. Recusará amor quando mais precisar. As manhãs de sol vão quarar a saudade.

- Aonde tu vais?

- Embora.

- Tu recém chegaste.

- Eu sei, mas tu nunca me darás tempo. Marcamos encontro na nossa hora errada.

Eu queria ver no escuro do mundo



Aonde está o que você quer


Pra me transformar no que te agrada


No que me faça ver


Quais são as cores e as coisas pra te prender


Eu tive um sonho ruim e acordei chorando


Por isso eu te liguei






Será que você ainda pensa em mim?


Será que você ainda pensa?






Ás vezes te odeio por quase um segundo


Depois te amo mais


Teus pêlos, teu gosto, teu rosto, tudo


Tudo que não me deixa em paz






Quais são as cores e as coisas pra te prender?


Eu tive um sonho ruim e acordei chorando


Por isso eu te liguei






Será que você ainda pensa em mim?


Será que você ainda pensa?

Posso sugerir uma musiquinha?! Posso, né... o blog é meu e eu faço o que eu quiser.

http://www.youtube.com/watch?v=f3tROimHbuo


Meu gurizinho queridinho, ouvi taaanto essa semana que ele deve estar rouco.

**** PRA LEMBRAR: Tristeza é nascer margarida e não morrer de bem-me-quer.
                                     

Comentários

Ana disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana disse…
Sem palavras.Conseguiste passar veracidade tanto q me peguei imaginando a cena.(semcoeci nomes dos personagens).E a sugestão da música...preciso dizer q amo? e o bono cantando ela? te adoro.Orgulho!bjoss
Carlos disse…
Se um dia enfiares os pés na minha porta, tranco ela por dentro e engulo a chave pra nunca mais saires... hehe
Foto ESPETACULAR!!!!
Fascínio por esse Olho...
Anônimo disse…
Bocuda, vc é o retrato da mulher perfeita. Mesmo com todas as artes, manias e gracinhas. Melhor amiga da vida. Volto de Paris dia 21 churras na casa nova. A lua de mel aqui é bem etílica. bjs, Gui.
Anônimo disse…
correção, chegamos dia 27! bj, gui
BETO disse…
Bocão sua sutileza é quase inocente. bj

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…