Pular para o conteúdo principal

observador mirim

Meu filho exerce um fascínio sobre mim. Não me canso de estudar a anatomia dele, escutar a voz com a fala enrolada, corrigir os verbos e incentivar a não falar de si em terceira pessoa. Gosto das nossas brincadeiras e das nossas intimidades, do olhar cúmplice que temos. Mais que tudo, eu gosto de admirar a maneira como ele evolui. Ele testa os limites, arrisca, se impõem, teima, opina. Às vezes ele até me repreende. Eduardo tem uma personalidade doce e decidida. Com dois anos e oito meses já escolhe as próprias roupas, decide o que quer comer, o desenho preferido e o sabor do suco. Divide comigo uma centena de questionamentos. Nós somos muito bons juntos. Fico admirada com a visão que ele tem das coisas, as pequenas percepções e as grandes conclusões.

Uma vez, antes do almoço, minha mãe cortava batatas pra fazer a salada e suspirou. Imediatamente ele perguntou se ela estava muito cansada. A naturalidade da pergunta traduzia a simplicidade da constatação, a preocupação com o estado da avó que lhe tornou solícito. As nossas risadas não puderam ser contidas. Ele não se inibiu, riu junto.

Acredito que o Eduardo será um bom filósofo. Tem olhos grandes, é bom observador. Também é um tagarela!

Em casa, durante um almoço, Eduardo estava sentado no seu lugarzinho, brincando. O telefone da minha mãe tocou e ela levantou pra atender. Mais do que rápido, ele sentou no lugar dela, me olhando cor ar sapeca e dizendo: “Eu sou a vovó!”

Retruquei: “Não senhor, tu és o Duca. A vovó é aquela ali!”

Apontei pra onde estava minha mãe, ele nem olhou já lançou a réplica: “Eu sou a vovó aqui na mesa.”

Uma observação tão simples, porém carregada de sentido.

Ele estava certo. Ao mudar de lugar, sentar-se na cadeira que a minha mãe habitualmente ocupa, ele era a vovó ali na mesa. Mudou a perspectiva. Naquele momento, ele tinha as mesmas condições de percepção que ela. Via a mesa, a distribuição dos pratos, a organização das pessoas, tudo na mesma ótica que a minha mãe. Lógico que as conclusões que ele tirou disso, as opiniões que formou foram condizentes com a idade que tem e com a pequena bagagem que já carrega.

Ainda assim, por momentos, ele foi outra pessoa ali na mesa. Colocou-se em lugar diferente, teve a possibilidade de ver a mesma coisa por outro ângulo. Muitas vezes mudamos de identidade sem precisar mudar de cadeira. Queremos entender a posição de alguém, nos colocamos em seu lugar. Ou pedimos compreensão, que alguém se coloque no nosso lugar. Nada mais é do que ser alguém diferente, aqui ou ali. É possibilitar a ocupação de um lugar diferente para a análise do mesmo fato. Talvez Eduardo não compreenda ainda a imensidão de significado do seu ato. A inocente brincadeira com tanto de verdade se repetirá muitas vezes.

Esta possibilidade de colocar-se no lugar do outro é o que nos leva a aceitar a outra pessoa. Parece estranho, mas é bem assim. Nos apoderamos de uma perspectiva diferente da nossa para que possamos julgar, aceitar, concordar, condenar ou compreender a outra pessoa. Carl Rogers dizia que “É sempre altamente enriquecedor poder aceitar outra pessoa” e ele tinha razão. A aceitação amplia nossas possibilidades de opinião. Desfrutamos de lugares diferentes, variamos a percepção. Tudo é experiência.

Ser criança é maravilhoso. É permitido brincar com a experiência.



Comentários

Anônimo disse…
lindos!
=) disse…
Tu devias escrever mais sobre o Duca, tua escrita muda. Deve ser a experiência, ou será a perspectiva. rs

Fotos lindas. Teu fido tá enorme e ainda mais lindo que tu.

P.S.: o Duca também escolhe o que ouve? E esse post? Não tem músiquinha?
Lu Teles disse…
Louise, acho que vou virar tua fã. Gosto do jeito que escreves, da forma clara e simples que expõe o óbvio. Lindo "ler" o jeito que amas o teu filho. Desejo que sejam muito felizes e que tenhas sempre esta aparente serenidade, pois és tranquila, mas com a mente inquieta. Ahh, guarda este texto para o Eduardo ler no futuro.
Cris disse…
Adoro tudo que escreves. Quando falas do Eduardo parece mais ainda tua alma de luz.
beijos
Z. disse…
Mto fofo este texto! mto fofos os links entre situações. Sou tua fã, amiga!
Carlos disse…
Kukynha! Como que eu não tinha visto este post?? Faço minhas as palavras da Lu Teles: guarda isso tudo pro Fido ler quando crescer!!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…