Pular para o conteúdo principal

cheiro de polenta

Não existe coisa mais clichê do que almoço em restaurante de praia em pleno inverno. A maioria dos estabelecimentos estão fechados, sobram dois ou três frequentáveis e consumíveis. Independente de qual a metodologia de serviço empregada, o caos é sempre o prato principal. Mesas próximas simulam famílias numerosas quando a meia dúzia de casais reunidos nunca sequer trocou um bom dia.



Quando a família combina tal programação, cogito mentalmente almoçar torradas, inventar um super prato de miojo com ingredientes mirabolantes, sopa de concha, pedra moída, bolinho de barro do Eduardo. Calo os pensamentos. Em nome da união familiar que almoça com o clã completo apenas nos finais de semana, aceito o que escolhem. Nem ouso manifestar-me contra, seria voto vencido. Ganharia etiqueta de mala. Possivelmente fariam piada com meus instintos antissociais alimentícios. Tenho por princípio que é possível divertir-se em qualquer lugar do mundo. Costumo falar que se me trancarem em um armário, faço stand-up show para os cabides.



O aperitivo sempre será a paciência. Aviso antecipadamente o estômago que talvez um tempo de espera seja necessário, para que não assuste as pessoas. Às vezes o meu estômago pensa que é um lobisomem. De casa até o restaurante vou cochichando pra mim todos os mantras que conheço sobre paciência. Alinho os chácras.



Na porta do restaurante, o último suspiro profundo antes do cheiro generalizado de polenta. O último olhar para o mundo da rua. Dois bem-te-vis sentados na placa da calçada perguntam-me se tenho certeza do que estou fazendo. Percebem meu horror com seus pequenos olhos pretos. Eles têm um sarcasmo nas penas, parecem observar algum tipo de espetáculo. Sádicos emplumados. Na verdade torcem para que eu entre, implore por uma mesa, cace um garçom que vai demorar dois dias para me trazer uma água com mais nitrato do que o considerado saudável para consumo. Sem falar nas digitais engorduradas desenhadas na borda do copo. Sou repreendida pela minha mãe quando bebo água no bico. Acusada de dar mau exemplo ao meu filho. Como se ele precisasse de mau exemplo para ser esse projeto de anarquista!



Não foi preciso esperar por uma mesa. Emendada na nossa, mais duas ou três famílias distintas ocupavam as seguintes. O senhor sentado ao lado da minha mãe na mesa vizinha estendeu a mão: “Posso?” Furtou os guardanapos antes que eu dissesse sim ou não. Na continuação do quinhão de mesa pertencente às posses da minha família havia mais um porta-guardanapo. Não me opus. Mas Eduardo sim! Acalmei o pequeno, negociei batatas fritas, polenta e coraçãozinho. Ele aceitou.



Pedi minha água ao garçom que, por obra divina, trouxe rápido. Confiro o rótulo, os nitratos a mais me abanam de dentro da garrafa plástica. Procuro abstrair dessa constatação. Parto corajosa em direção ao buffet, preciso alimentar o pequeno anarquista. Sirvo a salada, o arroz, as polentas, as batatas e na hora dos grelhados, não tem mais coração. Sirvo salsichão enquanto o moço que atende forra novamente a bandejinha com os corações de galinha – Eduardo está nessa fase agora. Retorno um pouco para servir o prato com os miúdos e ouço: “Que bonito, furando a fila.” Fulminei o cidadão com olhar de mãe em plena luta para alimentar sua prole, qual não é minha surpresa quando identifico o nanico usurpador de guardanapos. Ser muito corajoso, visto que eu tenho, pelo menos, três vezes o tamanho dele. Sem salto!



Em nome da política da boa vizinhança, pesei o modesto prato do Eduardo, voltei pra mesa.



Em seguida o ancião voltou ao seu posto. Observei a mesa do cidadão. Tratava-se de uma convenção de monstros com as ilustres presenças do corcunda, do ogro, da bruxa e mais um montão de habitantes do lado escuro da floresta.



Deixei o pequeno sob os cuidados dos avós e dos padrinhos enquanto fui me servir. O mini-rapaz que ocupava posição à minha frente, acompanhado pelo projeto de Wandinha Adams, palestrava sobre o salmão. Ou ele estudou dias pra impressionar a guria ou tem uma grande capacidade de improviso. Da salada aos grelhados uma longa explicação sobre o Omega 3. Espero ter perdido qualquer coisa sobre os ômegas um e dois. Lógico que eles faziam parte da convenção da mesa ao lado.



Durante o almoço perdi alguns pontos de Q.I. por osmose inversa. O ogrinho bombado do meu lado explicava ao nanico usurpador de guardanapos as maravilhas de um aparelho de exercícios que havia adquirido. Dizia que comia qualquer coisa, que gastava tudo com aquele milagre, que deixava o chão do apartamento diariamente ensopado de suor. Nesse momento, olhei para a minha mãe, com os olhos tão esbugalhados quanto os meus. Ela suspirava batendo os impacientes dedos na bordinha do prato, seguramente já imaginava o cheiro azedo do apartamento, o coquetel com litros de veja, vanish, carpex, querosene, água sanitária, panos e mais panos de limpeza. Eu já pensava em dar meu cartão de advogada ao morador do apartamento de baixo. Com a intensidade e a frequencia do suor, a infiltração era garantida.



Resolvi partir para a sobremesa – minha parte favorita -, já havia averiguado a presença do mousse de maracujá, da torta de bolacha, do sorvetão de chocolate e todas essas doçuras de restaurante que equilibro num pequeno pote e ainda jogo por cima o creme branco do sagu. O sagu não. Só o creme, que é o maior adúltero das sobremesas – uma hora dessas dedicarei um texto apenas a esta teoria.



A fila da sobremesa estava engarrafada. Mais do que meus atuais trânsitos astrológicos. Espichei os olhos até o início da fila. Duas senhoras de circunferência avantajada, também oriundas da mesa vizinha, aquela da convenção dos monstrinhos, comentavam o buffet de sobremesa. Ah, não. Comentaristas de buffet de sobremesa... já era demais. Uma analisava a textura do pudim de leite. A outra constatava a presença de muita farinha na torta de limão e já ensinava uma maneira de fazer merengue que nem o que estava em cima do mousse de chocolate. Olha, fiquei furiosa. Mas sobrevivi. Saí da aventura vivíssima, muito bem alimentada.



E com cheiro de polenta para satisfação dos passarinhos debochados que permaneciam sentados na placa apesar da garoa.

E ainda querem que eu mantenha minha sanidade mental...




Não quero lhe falar,



Meu grande amor,


Das coisas que aprendi


Nos discos...






Quero lhe contar como eu vivi


E tudo o que aconteceu comigo


Viver é melhor que sonhar


Eu sei que o amor


É uma coisa boa


Mas também sei


Que qualquer canto


É menor do que a vida


De qualquer pessoa...






Por isso cuidado meu bem


Há perigo na esquina


Eles venceram e o sinal


Está fechado prá nós


Que somos jovens...






Para abraçar seu irmão


E beijar sua menina na rua


É que se fez o seu braço,


O seu lábio e a sua voz...






Você me pergunta


Pela minha paixão


Digo que estou encantada


Como uma nova invenção


Eu vou ficar nesta cidade


Não vou voltar pro sertão


Pois vejo vir vindo no vento


Cheiro de nova estação


Eu sei de tudo na ferida viva


Do meu coração...






Já faz tempo


Eu vi você na rua


Cabelo ao vento


Gente jovem reunida


Na parede da memória


Essa lembrança


É o quadro que dói mais...






Minha dor é perceber


Que apesar de termos


Feito tudo o que fizemos


Ainda somos os mesmos


E vivemos


Ainda somos os mesmos


E vivemos


Como os nossos pais...






Nossos ídolos


Ainda são os mesmos


E as aparências


Não enganam não


Você diz que depois deles


Não apareceu mais ninguém


Você pode até dizer


Que eu tô por fora


Ou então


Que eu tô inventando...






Mas é você


Que ama o passado


E que não vê


É você


Que ama o passado


E que não vê


Que o novo sempre vem...






Hoje eu sei


Que quem me deu a idéia


De uma nova consciência


E juventude


Tá em casa


Guardado por Deus


Contando vil metal...






Minha dor é perceber


Que apesar de termos


Feito tudo, tudo,


Tudo o que fizemos


Nós ainda somos


Os mesmos e vivemos


Ainda somos


Os mesmos e vivemos


Ainda somos


Os mesmos e vivemos


Como os nossos pais...

Comentários

Keila disse…
Almoço ás vezes rende muitas histórias. Quando chego em casa, respiro aliviada!
Rick disse…
Tu é mesmo uma figuraça!
Carlos disse…
Restaurante de praia? No verão já são umas nabas... Nem pensar!
Heverton disse…
Parabens.. isso esta mostrando que voce é uma mulher em 4 dimensões..

Heverton Anunciação
www.heverton.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…