Pular para o conteúdo principal

o que camille claudel já sabia

“Existe sempre uma coisa ausente que me atormenta.” E quem nunca foi atormentado por um vazio? A frase poderia ser minha, poderia ser sua ou de qualquer um que já foi machucado pela presença da ausência. De qualquer um que já suspirou decepcionado ao olhar o banco do carro vazio, que ouviu a música certa na hora errada, que queria falar algo e calou. O que dói é a falta que se sente, dói por não ter medida. Não se mensura o quanto se tem de ausência. É impossível quantificar o vácuo. A ausência não tem hora, duração ou lugar. Mas ela está presente o tempo inteiro, por tudo, sem interrupção.



A frase muito pertinente é de autoria de Camille Claudel, artista plástica mais conhecida por sua vida do que pela sua obra – o que não é mérito para uma escultora do porte dela. Quando a vida de um artista está mais em foco do que a sua produção é porque produziu muito mais sem utilizar seu dom. O que Camille fez? Além de ser um prodígio como escultora e ousadíssima como mulher, Camille se apaixonou. Da mesma maneira que mulheres se apaixonam hoje em dia. Camille amou como as mulheres amam. Aos dezenove anos.



Aos dezessete anos Camille Claudel foi morar em Paris. Esculpia com tanta perfeição que foi trabalhar na equipe de Auguste Rodin – esse todos conhecem mais pelas obras do que pela vida. Ela era encarregada de fazer as mãos e os pés das esculturas de mármore, única mulher dentre os ajudantes. Entre uma pedra fria e outra, encontrou calor nos braços do mestre, o conforto de um amor. O romance começou quando ela tinha dezenove anos e ele quarenta e cinco. Diversas vezes Camille pousou para Rodin. Diversas vezes os dois andaram em público como namorados, inclusive frequentando alguns eventos, assumindo perante a sociedade do século 19 o escandaloso amor que existia entre eles. Mencionei que Rodin tinha mulher e filho? Não? Pois tinha e obviamente optou por ficar com a família quando Camille lhe pediu que escolhesse. Camille, depressiva, resolveu se trancar em seu atelier, produzir, beber e destruir suas criações até ser internada por sua família em um hospício. Morreu sozinha aos setenta e nove anos. As cartas que mandava à família e a Rodin são ricas de inteligência, delicadeza, dor e muito amor. Dizem que Rodin jamais a esqueceu.



E porque amar nem sempre permite estar junto de quem se ama, o fabuloso Rodin esculpiu “O BEIJO”. Talvez seja sua obra mais conhecida, junto com “O PENSADOR”. Originalmente tinha outro nome, "Francesca da Rimini", e pertencia a uma coleção chamada “Os portões do inferno”. Por que um beijo pertenceria aos portões do inferno? Bom, Camille explicaria perfeitamente, mas jamais se atreveu.



O que eu mais admiro nessa história toda é a ironia. Na escultura, os lábios não se tocam. O último beijo de Rodin e Camille ficou eternizado pelo olhar apaixonado dos amantes, na expectativa de lábios de mármore que jamais se tocaram. Jamais se tocarão. A pedra fria de mármore traduz a pele dos amantes em seda, tamanha a perfeição do afeto retratado. A posição dos corpos, sugerindo a intimidade sem apelo sexual – apesar da nudez – faz aquecer os olhos. O beijo faísca no mármore.



Nunca me avisaram qual seria o último beijo dos amores que já sepultei. Nunca pude dar ao último beijo o empenho que um adeus mereceria. Minhas esculturas sempre foram de areia, inacabadas e imperfeitas. Jamais pude eternizar o último momento da paixão, gravar o último olhar.



Rodin foi esperto.



Provavelmente ele também não soube qual foi o último beijo, qual foi o selo do fim do romance (e não do amor). Resolveu criá-lo. Não de modo que fosse eterno, não para ser um beijo para sempre, mas para ser um quase beijo. Um olhar infinito. A expectativa pelo início do beijo. Com muita genialidade soube transformar o que seria o fim em um início. Amantes famintos, com água na boca, lábios separados e corpos enlaçados pelos braços.



Acho fascinante os quase. Quase amores, quase beijos, quase tudo. Se não fosse o quase, seriam os amores, os beijos e tudo. Lembro de muitos quases, na verde, lembro de quase todos. Não sei qual foi o último beijo, mas sei qual foi o quase. O quase é a falta de cuidado planejada. É a mínima possibilidade que se concretiza. A escultura que por detalhe não se beija.



Camille quase foi feliz. Acabou louca. Uma loucura não necessariamente patológica, ficou louca de amor. Louca pela falta dele. Louca pela ausência representada pelo quase. A tormenta da ausência, talhada por Rodin no mármore de um quase beijo. A última e eterna representação de um final quase feliz. Faltou coragem para escolher o amor e renunciar aos comodismos da vida. Sobrou talento para transformar o mármore na eterna tormenta de Camille. “O beijo” é a forma da ausência. Um adeus que não foi dado. A ausência concede esperança. Os lábios que nunca se tocaram porque o último beijo nunca foi dado. O último é sempre uma ilusão. Não há último anunciado. Pode haver uma ameaça de último.



A última vez, o último amor, o último cigarro. O último simplesmente acontece. O fim é o que acaba, não o último. A ausência é o verdadeiro ponto final. A falta do toque entre os lábios é a tormenta em forma de mármore. Ou melhor, de não mármore. O último pode ser repetido pra sempre, uma sucessão de últimos. Que bom poder transformar o último em algum começo. Todo o fim é também um início.



Descobri que o último sempre pode ser trapaceado. O início sempre pode ser reinventado. Descobri que o fim da tristeza é o início da saudade. Não lembro do último beijo. Nunca vou esquecer do quase.

Toda a ausência traz uma possível insanidade.
Camille Claudel sempre soube.

Da série dialoguinhos.

- Tu achas que tenho chances de acabar como Camille Claudel?



- Paranóica?


- Isso veio depois, mas depressiva, em princípio.


- Por que acabaria?


- Sei lá, vai que eu tenho tendências.


- Acho que estás impressionada... Por que teria?


- Por que não? O psiquiatra aqui é tu... e eu sonhei com Camille Claudel por duas noites.


- Certo. Podemos investigar, se isso te deixa mais tranquila.


- Investigar? Investigar o quê? ME investigar???


- É...


- Não, ah não... não vai dar certo. Ando com mania de perseguição e tu querendo me investigar. Não! por acaso tu és da CIA?!


- Cara, tu estás cada vez pior!


- Não me chama de cara! Eu sou tua amiga, não teu amigo.


- Maniática.


- Vai dizer que os maniáticos não podem ser bipolares e os bipolares não são potenciais suicidas quando não estão em mania???


- Onde tu pretendes levar essa nossa conversa?


- Não sei. Para um divã.

- EU vou acabar num divã assim...

- Tu podia me fazer uma análise, um questionário daqueles bem padronizados, pra saber se eu posso ou não acabar que nem a Camille...


- Não daria certo. Tu tentarias manipular...


- Pra acabar ou não como a Camille?


- Meu Deus, não sei. Tentaria manipular.


- Tu achas que eu sou manipuladora?


- Não! Mas é trapaceira.


- Mesmo assim tu me ama?


- Claro, tu és a melhor amiga que eu tenho.


- Que amor... me chama de manipuladora, trapaceira e agora vem dizer que me ama. Doutor, se há um bipolar entre nós, é o senhor!


- Doida!


- Fofo!


----
 
Musiquinha:
 
Todas as bobagens que eu já disse


Dariam pra encher um caminhão

Mesmo assim encontro no caminho

Milhares mais otários do que eu



Por isso meu amor

Não leve tão a sério

Nem o que eu digo nem o que eu deixo de esconder

Não vai ter graça o dia

Em que bater na porta

E você não abrir pra responder



Todas as pessoas que eu conheço

Cabem bem juntinhas na palma da mão

Pra você guardei um universo

Quando falta espaço eu faço verso e durmo na canção



Por isso meu amor não pense que é brinquedo

Eu tenho medo e morro de paixão

Não vai ter graça o dia

Em que eu abrir a porta

E a tua mão vazia disser não



Por isso meu amor

Não leve tão a sério

Se eu morro de medo

Brinco de paixão

Não vai ter graça o dia

Em que eu te ver na porta

E não souber se entro

Ou faço uma canção...



(romance - nei lisboa)

Comentários

Keila disse…
Ás vezes considoro o vazio um problema, ás vezes não. Mas é no minino, inspirador. Texto magnificamente bom.
E que foto mais lindaa!

=***
Mauro disse…
Este reflete um pouco de nossas vidas. Adorei.
Anônimo disse…
Musa, gatona, nao consegui comentar o outro testo. Continuas linda, genial, inteligente e rainha soberana dos nossos cores.
BEIJO COM CARINHO.

Cris
Carlos disse…
Tu acabar como a Camille?
Capaz!
Tu és a Kuky!!!
Bom... Qualquer coisa te visito no manicômio e levo maçã e chocolates, tá?
Lú Teles disse…
Kuky, com certeza não acabarás como Camille. Arrumaras uma forma criativa de reinventar a loucura, o vazio não vai te atormentar, pois estarás repleta de poesia e inspiração. Parabéns pelo Blog!! beijão. Lú Teles
tu é DIVINA,

AMEI O POST.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…