Pular para o conteúdo principal

cuidado, ele me cuida

Tempo com o Eduardo nunca é gasto. É investimento. Não perco nada com ele. Ele soma e me multiplica em tudo. As tarefas exigem mais mãos. Alcanço o copo de água com uma, seguro ele no banco com outra, ainda mexo a comida na panela, pingo o detergente na esponja porque ele resolveu ajudar lavando a louça enquanto preparo a janta. Sem falar no fôlego, mal inspiro entre uma dúvida e outra. Os porquês que ele não tem vontade de saber, inventa, é especialista em descobrir assunto onde não há.

Nunca me ensinaram a ser mãe. Jamais me disseram o que eu devia ou não fazer com um filho. Mas aprendi com Eduardo que os pais devem fazer o favor de não atrapalhar. Além de dar educação e torná-lo consciente das responsabilidades.

Não posso sufocar meu filho com as minhas expectativas ou meus conceitos de certo e errado. Mas devo sempre ensinar que ele tem escolhas. Que as escolhas exigem responsabilidades. Não posso escolher por ele, os pais têm mania de achar que são onipresentes. Mesmo nas minhas ausências, ele vai precisar agir conforme os valores que eu o apresento. Isso tudo optando por ser feliz. Ou seja, a tarefa de um filho é tão complicada quanto a dos pais. Não há como ter certeza de que se está no caminho certo.

O que eu faço com o Eduardo é concentrar grande amor e atenção, para isso, observá-lo é fundamental. Gosto de sair com ele. Gosto quando ficamos sozinhos e podemos conversar. Uma criança de dois anos e dez meses tem maravilhas para dizer. Não posso atrapalhar o pequeno nas suas considerações, não posso atrapalhar na personalidade que ele tem.

Eduardo é uma criança fabulosa, decidido ao extremo. Tem claro o que quer e o que não quer, sabe do que gosta. É dotado de uma ironia que disfarça a inocência. Reconheço nele o mesmo jeito que eu viro os olhos quando o assunto me aborrece. O jeito de abrir a boca pra prestar atenção em alguma coisa interessante. A impaciência com filas e o péssimo humor com fome, a luta eterna contra o sono. Mas ele tem outras coisas que não sei de onde tira: o imediatismo e a inflexibiliadade. É um pequeno anarquista teimoso. Militante dos próprios caprichos.

Já falei outras vezes que ele é um bom observador. Agora ele começou a comentar o que observa: “aquele titio está triste”. As observações agora vêm com instigantes verbalizações:
- Os grilos são mais espertos que as lesmas?
- Por quê, filho?
- A lesma não fala.
- E o grilo fala?
- Sim.
- O que ele diz?
- Cri, cri, cri.

Ele está estabelecendo relações de comparação, por isso preciso cuidar dos exemplos que dou – minha grande preocupação. Sempre seremos parâmetros para os filhos, por mais que ele tenha a personalidade dele e eu não possa atrapalhar, minhas atitudes são importantes parâmetros de decisão.

Eu nem sempre estarei presente, mas meus traçados vão fazer parte dos limites dele. O superego vai se desenvolver com as noções de certo e errado baseadas nas observações e nas comparações. Como os grilos e as lesmas ou a identificação da tristeza por alguma razão, Eduardo vai julgar sem a minha presença. O superego vai sempre resgatar as linhas que já estão sendo traçadas, ele vai decidir quando elas podem ser ultrapassadas. Avaliará riscos, como faz agora quando decide abandonar a banheira e tomar banho no chuveirinho.  

Lya Luft disse que em matéria de filhos, devemos obedecer a sinalização das estradas de ferro: pare, observe, escute.

É assim que ajusto a sintonia com o Eduardo. Conversamos muito, empatamos em idade. Aprendo com ele os meus limites. Aprendo com ele a resgatar a educação que meus pais me deram. Nossos vínculos são estreitos, conversamos por olhares. Fazemos eco nos nossos valores para que se propaguem.

Ontem Eduardo deitou no meu colo, me fez um carinho no rosto e falou “eu te cuido”.

Já percebi. Ele cuida tudo.
Eu preciso me cuidar com isso.




Pérola do Fido: mamãe, tá escuro. Mas se eu não dormir fica claro?!


Crianças acreditam que podem mudar até o horário do sol nascer. Minha resposta: só fica claro depois de dormir. O sol não nasce quando as crianças estão olhando.

Ele resolveu dormir.
Ou ficou acordado escondido pelo simples prazer de testar o sol.


Aguardarei as futuras manifestações.


----

All My Love (música que Fido tem amado!)

Should I fall out of love, my fire in the light?
To chase a feather in the wind
Within the glow that weaves a cloak of delight
There moves a thread that has no end

For many hours and days that passes ever soon
The tides have caused the flame to dim
At last the arm is straight, the hand to the loom
Is this to end or just begin?

All of my love, all of my love
Oh all of my love to you now
All of my love, all of my love
Oh all of my love to you now

The cup is raised, the toast is made yet again
One voice is clear above the din
Proud Aryan one word, my will to sustain
For me, the cloth once more to spin

All of my love, all of my love
Oh all of my love to you now
All of my love, all of my love
Yeah all of my love to you child

Yours is the cloth, mine is the hand that sews time
His is the force that lies within
Ours is the fire, all the warmth we can find
He is a feather in the wind

All of my love, all of my love
Oh all of my love to you now

All of my love, oh love yes
All of my love to you now
All of my love, all of my love
All of my love, love

Sometimes, sometimes
Sometimes, sometimes
Hey, hey, hey, hey
Hey, hey, hey, hey

Oh yeah, it's all, all, all of my love
All of my love, all of my love to you now
All of my love, all of my love
All of my love, to, to you and you, and you and yeah

I get a bit lonely, just standing up
Just standing up
Just standing up lonely
Just I get a bit lonely



Comentários

Bruna Millidiu disse…
Lindo, lindo, lindo! Amo vocês dois!
Carlos disse…
Show de Bola, Kukynha!
Nestes primeiros anos de vida o Fido está "arquitetando" toda a vida dele... Ter uma Kuky no seu "pertinho" (minha Filha dizia assim)é praticamente uma certeza de sucesso.
Fotos Lindas!
Z. disse…
Óinnnn! Fido é vida!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…