Pular para o conteúdo principal

simpatia no dia dos namorados

Eu adoro o dia dos namorados. Verdade. Posso não gostar das vitrines com overdose de coração, das floriculturas com balões que atropelam as pessoas nas calçadas, das propagandas bestas com diálogos previsíveis, das promoções de motéis, de restaurantes, de ferragens, de petshops. Mas gosto de toda a função do dia doze de junho. Eu entro no clima, fico mais romântica, me pego procurando rimas de primário pra dar bom dia. Atendo o telefone com voz melosa, cada frase soa a miado de gato esperando a tigela de leite. Acaricio os móveis da casa como quem faz cafuné no cabelo do namorado – e isso quando estou verificando se há pó na mobília. Canto Djavan tomando banho.



Hoje pela manhã a manteiga do pão carimbou a beirada do prato com uma mancha que parecia um coração. Mostrei para a diarista:



- Olha!

- Arram, manteiga. Passou demais, vazou do pão.

- Não, olha bem, é um coração.

- Queres um guardanapo?



Eu juro pelos meus botões que era um coração de manteiga, uma declaração de amor do meu café da manhã. Uma singela demonstração de afeto gravada na louça fria. Comi meu pão com manteiga e tomei meu café preto sorrindo pelo agrado matinal. Foi tão galanteador quanto receber flores.



O dia dos namorados não depende de ter um namorado. É puro estado de espírito. Por isso não entendo as rivalidades entre solteiros e não solteiros. Não sou apreciadora das brincadeirinhas, das comparações, das infinitas enumerações de vantagens e desvantagens. Os prós e os contras não são combatentes. Para ter namorado, aconselha-se sentimento, porque namorar um chato apenas para ter alguém deve ser muito triste. Ao passo que não ter quem se ama deve igualmente fazer um solteiro ser infeliz.



Por isso optei por me embriagar do sentimento do dia dos namorados. Assovio para os pássaros, suspiro pelos cantos e vejo flores em você. Vejo flores em todo mundo. Em qualquer coisa. Passo vinte e quatro horas caída de amor! Faço toda a preparação nos dias anteriores, decoro Neruda, transformo Vinícius de Moraes em rei, compro roupa nova, escolho perfume. Distribuo sorrisos como quem dá as cartas em jogo de pôquer.



Já disse que o amor é jogo de cartas marcadas?



Dia dos namorados é assim, muito mais uma questão de estado de espírito do que de companhia. É paixão literal generalizada. É se dar ao trabalho de preparar o figurino para que o dia abra as cortinas de acordo com seu nome de batismo. É recitar Shakespeare para as nuvens: “Duvida da luz dos astros. De que o sol tenha calor. Duvida até da verdade. Mas confia em meu amor.” É brindar de taça cheia, com alguém ou com a própria sombra. O amor não tem calendário. O amor acontece todos os dias. Independe de companhia.



Solteira ou não, namoro sempre com a felicidade. Por isso desejo, para os namorados e não namorados, muita felicidade e muito amor, lembrando as palavras de Clarice Lispector: “Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor. Que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata.”



Feliz dia dos Namorados!

É, só eu sei



Quanto amor eu guardei


Sem saber que era só prá você






É, só tinha de ser com você


Havia de ser prá você


Senão era mais uma dor


Senão não seria o amor


Aquele que a gente não vê


O amor que chegou para dar


O que ninguém deu pra você






É, você que é feita de azul


Me deixa morar nesse azul


Me deixa encontrar minha paz


Você que é bonita demais


Se ao menos pudesse saber






Que eu sempre fui só de você


Você sempre foi só de mim






Que eu sempre fui só de você


Você sempre foi só de mim

Comentários

Z. disse…
Adorei! Muito fofo! O amornão tem calendário. O amor acontece independente da companhia. Concordo mtooo!
Esse teu post é inspirador demais, ruiva! Entrei no clima, entrei pro time :)

Belíssimo dia dos enamorados para ti ;*
Keila disse…
Ahh tão lindo o post.
Inspirador!
BETO disse…
vc anda a sensibilidade em pessoa, bocão.
Carlos disse…
Grande Dia dos Namorados pra ti também, Kukynha!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…