Pular para o conteúdo principal

dona do mundo

Da série revividos, parte II.
Este foi publicado em 2007.
Dei uma arredondada nas arestas e nada conseguiu ser mais apropriado pra hoje. Se eu fosse escrever algo desde o início, seria exatamente isso!

----

Hoje não há tédio, nem há o que tire o sorriso do meu rosto. Determinei suas desinvenções.
 
Hoje eu faço questão de ser, acima de tudo, na frente de todos. Ser por mim e pelos outros. Ser por qualquer um. Então, hoje eu sou tudo aquilo que eu sempre fui e um tantinho mais do que eu vou ser qualquer hora dessas...

Resolvi ser hoje o que eu acabo de inventar. Daqui a pouco posso ser diferente.

Hoje eu estou disponível pra qualquer brincadeira, estou fácil, enérgica, bem faceira. Quero TUDO e quero AGORA.

Hoje eu dou a vida, eu escrevo a história. E hoje eu vou fazer sol até de madrugada. E hoje eu não páro, não vou pagar as contas, não vou dar satisfação. Hoje eu me elegi - por unanimidade - dona do mundo, da verdade e do que mais eu quiser. Vou parar o trânsito e rir, vou caçoar do triste e beber algum vinho doce e barato. Hoje eu não levo doses, vou de garrafa inteira. Vou sair um pouco do meu umbigo, prender o dragão que guarda meu castelo, mas vou ser incompatível.

Hoje acordei meio insensível. Vou ser intocável, intangível, invisível, mas só um pouquinho. Hoje eu vou plantar a rebeldia, semear a ventania e voar as tranças. Hoje estou rindo na cara do perigo e o medo tem medo de mim. Hoje eu vou mais, eu perco menos e posso até dizer sim.

Hoje eu vou profanar, vou difamar, vou mentir com cara deslavada, vou dizer que amo só por esporte. Não vou medir as palavras, não vou contar os segundos, nem as calorias. Resolvi poder mais e não pagar imposto por isso.

Hoje eu vou dar mais trabalho.
Hoje eu estou impossível.

----






EM VEZ DE MUSIQUINHA, CONVERSINHAS COM A MINHA IRMÃZINHA:

Rena: Que barulho é esse???



Eu: Vacas!!!


Rena: Não, parece tosse... lá fora!


Eu: Vacas gripadas, no frio da rua... tossindo, coitadas!


Rena: Manaaa, vacas não tossem!


Eu: Como assim?!


Rena: Por que tu acha que as pessoas falam "nem que a vaca tussa" ????


Eu: Preciso fazer umas ligações... avisar uma galera que elas não podem mais tossir...


*risinhos*


+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++


Eu: Rena, me dá um beijo?!


Rena: Agora não dá, tô estudando...


Eu: Posso te dar um beijo?!


Rena: Tô estudaaaaaando... pára!


Eu: Se eu te der um beijo tu vai estudar melhor, mais feliz, mais contente, animada, se sentir amada, as id...


Rena (meio brava!): Tá! Chega! Me beija e some... Vê se não baba!






SMACK (beijei e babei)






Eu: Não limpa, é a baba da sorte. Se limpar vai tirar nota baixa na prova...






Saí do quarto e deixei a guria no dilema...


+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++






De todos os seres vivos que eu amo incomodar, nada se compara a uma irmã mais nova!!!


+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++






Rena: Acho que tu tá com dengue...


Eu: Não é dengo??? Tem certeza???


Rena: Melhor não arriscar, passa longe das aspirinas...





O resto da conversa tomou rumos impublicáveis, mas se vejo uma aspirina, corro!

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Comentários

Carlos disse…
OBA! Post novo/velho todo dia agora!?!?!
Isso aqui ta ficando cada vez melhor!!
Dá um beijo nessa Mana Linda por mim?
Anônimo disse…
adoro este texto e mais q tudo quando vc fica assim.

beijos, Cau.
Keila disse…
Esses dias são sempre muito bons.

=***

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…