Pular para o conteúdo principal

estudo antropológico II: o amor e o trambique

-----------

ANTES DE MAIS NADA E EM CAPS LOCK, QUERO QUE SAIBAM QUE O MEU PAI É O MEU MAIS NOVO LEITOR. EM OUTRAS PALAVRAS, A PARTIR DE HOJE NÃO TENHO MAIS DIREITO À HERANÇA E ESTOU ACEITANDO DOAÇÕES. QUEM QUISER CONTRIBUIR, POR FAVOR, ENTRE EM CONTATO QUE EU MANDO AS INFORMAÇÕES BANCÁRIAS!!!

TAMBÉM ESTOU DEVENDO PRA ELE DESCULPAS PÚBLICAS, PELA MINHA IRMÃ E POR MIM, POR TERMOS DEFINIDO ELE COMO "O BARULHENTO". INJUSTAMENTE. UMA PESSOA QUE RESOLVE FURAR TODAS AS PAREDES DA CASA ÀS 8H DA MANHÃ DE DOMINGO OU CORTAR A GRAMA BEM EMBAIXO DA TUA JANELA NÃO É UM BARULHENTO. NÓS TE AMAMOS MUITO.

fim do caps lock.

-------
estudo antropológico II: o amor e o trambique

Quem ama faz trambique. E não adianta a tentativa de me convencer do contrário, estou ciente e convicta das minhas palavras. Cada letrinha bem escrita, dizendo a verdade verdadinha. Não existe amor que não transforme a pessoa numa trambiqueira de primeira, isto é certo do que a lei da gravidade. Que atire a primeira rosa quem nunca flutuou.

Tanto faz se o amor é correspondido ou não, amor é amor, trambique é trambique. Quem ama quer a vantagem, quem ama faz chantagem consigo e com o outro, por querer, sem querer, querendo sem querer. Faz. Trapaceia, furta, assalta, rouba e sai assoviando de cantinho como quem não fez nada, fingindo inocência. A mesma mão leve do amor é aquela que levanta a carteira de um bolso descuidado.

Quem ama faz trambique de sentimento, quer mudar a alma de casa... quer ir para uma cobertura com vista para o mar. Com vista pra ele, o amado. Quem ama quer trocar número de celulares, quer trocar confidências, faz pequenas declarações esperando uma maior, com mais vantagens, com mais delírios, com mais corações esvoaçantes. Eu te amo já não serve, tem que ser eu te amo mais que tudo no mundo! O trambiqueiro não quer só investir um olhar e ganhar outro olhar, ele quer um olhar, um sorriso e que atire um beijo, com direito a piscadinha de olho! Quem ama quer atenção, quer trocar o foco do amado, virar o holofote pra si. E pra isso suborna os prazeres, frauda a declaração de renda da paixão, passa recibo falso de sofrimento, sonega a saudade. Um bom trambiqueiro dorme com a camiseta do amado pra roubar o cheiro do outro até durante o sono.

Não existe amor sem trambique, sem a cilada, a armadilha pronta. Quem nunca mandou uma mensagem de celular às 3 da manhã, diretamente do banheiro do bar, depois do quarto copo? Quem nunca chegou em casa depois de uma noitada com os amigos e foi conferir nas redes sociais – meio mais eficiente de auto-fofoca – onde o outro foi? Com quem esteve? Quem é a amiga nova? Que foto é essa? Ou pior, quem nunca chegou ao cúmulo da ligação falsamente despretensiosa: Oi, liguei pra ver se ta tudo bem...

“Obrigada pela preocupação às seis da manhã!”

Mandar mensagem e se arrepender de mentirinha é uma arte. Mas ligar como quem não quer nada às seis da manhã é quase merecedor de um Oscar! Incomodar é preciso.

E o trambiqueiro vai lá e fala do amado pros amigos, pra todos. Fala mal, fala bem, quer contrabandear a informação, quer mandar recado, enviar um código secreto. O trambiqueiro coloca no MSN frases que só vão fazer sentido pro outro: “muito feliz”, a pessoa passou o dia engolindo o choro pós-pé-na-bunda, mas quer que o amor da vida venha gentilmente perguntar se está tudo bem. Quer dividir a felicidade inventada. “Deixa a vida me levar”, é a pessoa que está completamente sem rumo, atordoada com aquele cidadão que dá voltas e voltas, vai e vem sem tomar uma atitude definitiva. Tudo que espera é que ele a leve. Onde? Qualquer lugar, céu, paraíso, quinto dos infernos, motel barato... desde que faça alguma coisa!!! Rápido!!! Tem aquele que coloca “nuca mais, chega, acabou”, mas não bloqueia o alvo de sua escancarada mensagem. E o alvo liga. O trambiqueiro atende... por que não?! E o nunca mais durou alguns minutos recebidos que no mês seguinte poderão ser ligados, graças ao plano pula-pula. Ai, trambiqueiro pula-pula...

Não existe sossego no trambique. Quem ama faz trambique escancarado, não quer a impunidade, quer mesmo é ser preso. Sem julgamento! É algemado e já tem no bolso a sentença: estou sendo preso porque estou amando.

Bem no fundo, todo o trambiqueiro quer uma boa algema. Pelo menos até a próxima paixão.

 


----

Verdades verdadinhas da semana:

1- Pessoa Mimimi: você ainda vai chutar uma.
2- Sempre tropeço em OVNI's quando ando nas nuvens.
3- Tem gente que dificulta muito o meu trabalho!
4- Os feios feíssimos andam muito confiantes. MUITO.
(o primeiro que fizer mimimi por causa dessa frase, eu chuto!)

----

E por falar em trambique... cabelo ruivo é indício! hahaha

Nando Reis, na musiquinha bem cheia de armadilhas.

SOU DELA

Esperei por tanto tempo

Esse tempo agora acabou

Demorou mas fez sentido

Fez sentido que chegou...



Eu pensei

Que fosse nunca

Mas agora já se foi

Nunca mais parece triste

Triste eu era

Agora passou...



Porque eu estou com ela

Sou dela, sem ela

Não sou!

Porque eu preciso dela

Só dela, com ela

Eu vou!



Sempre olhei

À mim nos outros

Estava em toda a multidão

Sendo muito e tendo pouco

Dando muita explicação...



Eu quero olhar

Prá esse mundo

Ver o mundo em seu olhar

Quero ser, te quero muito

Ficar junto e respirar...



Porque eu estou com ela

Sou dela, sem ela

Não sou!

Porque eu preciso dela

Só dela, com ela

Eu vou!



Estava tão longe

Num outro lugar

Trancado e distante

Na esfera lunar

Na superfície

Ou no deserto

No asfalto ou no avião

Na prateleira

De um depósito

Na cordilheira

Num vulcão...



Não vou te inundar!

Não vou te inundar!

Não vou te inundar!

Não vou te inundar!



A alegria é um presépio

A tristeza é tentação

Três Marias de um mistério

A surpresa em procissão

Trocaria a eternidade

Pela noite que chegou

Luz do dia realidade

De mãos dadas eu estou...



Porque eu estou com ela

Sou dela, sem ela

Não sou!

Porque eu preciso dela

Só dela, com ela

Eu vou!...

Nã nã nã nã nã nã nã!...

Porque eu estou com ela

Sou dela, sem ela

Não sou!

Porque eu preciso dela

Só dela, com ela

Eu vou!...




Comentários

Carlos disse…
O Amor pode tudo!
Até tambique...
Só que muito pouca gente, ou ninguém, tem coragem de escancarar assim...
Por isso, e não só por isso, que tu é nossa Biscoita!
LOVIÚ!
MARILENE disse…
kukynha é igual a tiro ao alvo: acerta em cheio. dedé.
Ana disse…
Mestra! depois de ler esse texto não tenho dúvida alguma de q tu é minha mestra!Vou cuidar meus nicks no msn!ahuahuahu
beijosss
Maya disse…
Kuky aaaaaamei! Eu sou trambiqueira, já fiz tudo isso. Eu me identifiquei com tudo. Amo teus texto e linda foto.

Beijinhos
Anônimo disse…
EITA, ri de mais menina. Linda foto, sabias palavras.
Abraços, Rogério.
disse…
kkkkkkkkkkk

adorei! adorei!!!

beijão guria!
Keila disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Keila disse…
Kuky, tu se supera a cada texto. Muito bom.
Mesmo sem querer, somos todos trambiqueiros no amor.
Foto linda.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…