Pular para o conteúdo principal

carta ao tempo

Querido tempo, eu sei que a nossa relação é um pouco estranha, mas de um modo geral nos damos muito bem. Eu finjo que tu não passas, como faço com outros moços, tu finge que eu não existo Quando queres me provocar, aperta, me fazendo ter pressa. Eu implico com as tuas demoras, que juntam segundos em segundos, transformando em horas, quando preciso de tudo rapidinho. Eu sou impaciente, bato com a ponta dos dedos do mínimo ao indicador, várias vezes, sempre que tu me desapontas.

Eu me irrito contigo quando eu peço pra parar e tu segues, quando eu te quero logo e tu estás calmo, quando preciso que sejas meu amigo e tu resolves ser meu carrasco. Tu levas quem não pode, traz quem não deves.

Contrariar-me é teu esporte favorito.
Eu costumo funcionar mais acelerada do que tu. Preciso de tudo pra ontem. Adoro premeditar o meu amanhã, enquanto tu insistes em ser religioso na tua pontualidade. Nunca entendi essa tua mania de só trazer amanhã quando hoje acaba, e a minha pressa? Nunca posso comer mais uma fatia de ontem! E quando tu resolves invadir o meu hoje com o dia seguinte? Quero resolver agora as minhas dúvidas sobre daqui a pouco, para já formular mais interrogações. Para não ter mais soluções. Preciso empilhar a baderna, criar confusão, promover a desordem e tu, tempo, não me ajudas. Dizem que o tempo cura. E eu quero que não cure. Dizem para dar tempo ao tempo. Eu morro! De tempo em tempo, passou a vida. E eu não te perco, jamais.

Eu só uso relógio pra combinar com meu lenço, hoje marcava sete horas enquanto eu almoçava, marcava a mesma hora quando acordei, marcou a mesma hora o dia inteiro. Não faz mal que não tem pilha, eu não ligo. É tão decorativo quanto um anel.

Tempo, tu és muito cronológico.

Um dia, precisamos parar os dois e acertar nossos ponteiros.

Beijos, da tua, Kuky.

P.S.: Um dia, eu te contarei um segredo!!!
 

Comentários

Keila disse…
Ahh Kuky, fala sério, tu sempre nos surpreende. Adorei!!!
E o tempo é bem teimoso mesmo ne?! Adora ser do contra.
Lipe disse…
Fabulous...
Carlos disse…
O Tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem, o Tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo, tempo tem.
Dã!?!?
Adoro-te!
Anônimo disse…
Vou morder essa orelha!!!!!
"“The only reason for time is so that everything doesn't happen at once.” - Albert Einsten

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…