Pular para o conteúdo principal

cuida onde pisa, poltrão

Há um mundo entre nós. Encare a verdade, não dê as costas para os fatos, eu tenho alma grande, acredite em mim. Olha bem no meu rosto, não é à toa que vim de fábrica com esses olhos grandes e essa boca gigante, sou boa observadora, melhor ainda devoradora. O que eu não sei, vou atrás e o que você não entende, eu posso explicar. A única ressalva, que já aviso desde agora, é que vou fazer do meu jeito. Eu vou utilizar as minhas parábolas e carregar elas com as minhas paranóias, esquisitices e outras coisas mais. Acho que não vai ter problema, por baixo dessa capa conservadora existe um sangue fervendo. Sim, estou falando de você, desse ser que ainda não foi desbravado. Tenho impressão que você tem deixado de viver, tem preferido algumas insistências, criando motivos que são pura ilusão.



Precisa de ajuda?

Quer dar um pulinho aqui?



Eu sei que não é seguro. Não me olha com essa cara de apavorado, ninguém que pulou este muro se sentiu à vontade logo de cara. Repara bem, que ironia, o melhor lugar do mundo causa desconforto. É que não estamos acostumados a ver estranhos muito de perto, isso causa uma falsa sensação de intimidade. Desbravar o outro não é tão simples quanto ampliar a sua fotografia. Nenhuma nudez de corpo se compara à nudez de alma. Não fecha os olhos, eu quero que você veja a minha. Quero que repare nas curvas dos meus defeitos, na rigidez dos meus princípios, nas sardas do meu pudor. Olha, não é sempre que isso acontece, então aproveita. Não sou como a maioria das moças.



Está tudo bem?

Prefere ir embora?



Eu aceito os teus poréns e qualquer vírgula que queira colocar por aqui.Sem problemas... Só acho muito injusto contigo e comigo adiar mais um tanto, por uma bobagem tão insignificante, esse encontro. Sabia que eu fiz até meu tema de casa? Decorei olhares pra te constranger. Escolhi um vestido lindo. Eu vou usar um colar de pérolas que combine com a tua caretice. Juro que vou tentar não rir quando você arrumar os óculos ou derrubar algum talher. E eu vou tentar não passar dos limites.



Quer saber?!



Você está certo. Melhor ficar com as insistências, com o medo de ousar, escolha não ouvir, não ver, não sentir. Melhor não arriscar, não viver, ficar em casa, não ferir, não sangrar. Xô, volta pro lado de lá, tira teus sapatos do meu gramado. Esses teus sapatos só devem mesmo pisar em carpete. Não adianta expor nada para quem não sabe ver o horizonte. Volta pra tua coleção de medinhos, preciso recontar as minhas teorias, depois preciso alimentar a independência e levar os palavrões para passear. Eu sou inconstante demais, volúvel, volátil. Eu sou um perigo, caso de polícia, doida de atar, eu vou virar manchete mesmo desarmada. Desalmada, nunca!

Eu sou uma gracinha.


 
 
She puts her makeup on



Like graffiti on the walls of the heartland


She's got her little book of conspiracies


Right in her hand


She is paranoid like


Endangered species headed into extinction


She is one of a kind


She's the last of the American Girls










She wears her overcoat


For the coming of the nuclear winter


She is riding her bike


Like a fugitive of critical mass


She's on a hunger strike


For the ones who won't make it for dinner


She makes enough to survive


For a holiday of working class










Shes a runaway of the establishment incorporated.


She won't cooperate


She's the last of the American Girls










She plays her vinyl records


Singing songs on the eve of destruction


She's a sucker for


All the criminals breaking the laws


She will come in first


For the end of Western civilization


She's an endless war


She's a hero for the lost cause


Like a hurricane


In the heart of devastation


She's a natural disaster


She's the last of the American Girls










She puts her makeup on


Like graffiti on the walls of the heartland


She's got her little book of conspiracies


Right in her hand


She will come in first


For the end of Western civilization


She's a natural disaster


She's the last of the American Girls

Comentários

Keila disse…
Muito legal, Kuky. Adorei.
Foto mais linda essa!!
Dani disse…
o jeito q vc escreve cativa, ficco aprensiva para ver como tudo termina.
Carlos disse…
E bota GRACINA nisso!
Assim, em Caps Lock!
Foto Linda, nota 9!
10 só com as sardinhas pudicas...
BETO disse…
Vc corre com todos eles bocuda.
Ótimo texto, termina melhor ainda com o som (virtual) do Green Day ecoando pela cabeça.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…