Pular para o conteúdo principal

chuveiro elétrico estragado

Muitas pessoas se parecem com coisas, não fisicamente, bom... às vezes também. Acho bem possível substantivar alguém pelas características que possui quando coincidem com a coisa. Esses dias eu conheci um homem. Ele era um chuveiro elétrico estragado. Juro, um homem-chuveiro-elétrico-estragado. E antes que me perguntem se é um desaforo direcionado, não, não é. É apenas uma constatação desaguando em mais uma das minhas filosóficas teorias sobre o tudo e qualquer coisa, com um fundo de verdade. Ou não.



Um chuveiro elétrico tem sempre as suas temperaturas, pelo menos as básicas: inverno e verão. Quando estraga, é indiferente o lado para o qual aponta a seta, a água sai invariavelmente morna. É fria demais pro banho no inverno, mas dá pra aguentar. Toma-se banho rapidinho e se salta de dentro do box na ponta dos pés, bafejando nas mãos, se secando rapidinho. Arrepiei-me.



No verão, o morno fica mais quente do que precisa, a gente sai suando do chuveiro. Seca-se a água, mais o que destilou, a gente se apressa em colocar uma roupa fresca, sair em busca do ventilador mais próximo, do ar condicionado mais gelado, da brisa da janela, de qualquer coisa que impeça os poros de verterem mais água do que o próprio chuveiro. Banho quente no verão é de matar, mas para tudo há um jeito. O defeito é suportável, não é um chuveiro inútil, ele cumpre sua função de chuveiro. O banho nunca é o perfeito, porém, tudo bem. E por isso ele não é merecedor de reparos.



Esse homem é assim, morno. Faz frio, faz calor, ele segue morno. Não arrisca, é pouco ambicioso, cumpre sua função de chuveiro. Vive bem sem ser feliz, não porque é triste, mas porque não conhece a felicidade, não ousou ousar. A vida é linear e os dias se repetem. Os erros são os mesmos. Os acertos são iguais. Nada de surpresas. Um fim, um começo, um dia, depois outro e assim até que eles acabem. Ele está embrulhado numa ignorância sentimental.



Eu sou dotada de uma compaixão que não sei explicar com esses tipos. A alegria e a tristeza são gêmeas escandalosas e quem muito cala pouco sente. Sou a favor de sentir na vida, sem preconceitos. Sentir amor, decepção, dor, felicidade, dó, orgulho... É preciso vibrar pra ser verdadeiro. Eu não sei medir as palavras como gostaria e a maioria das coisas que eu digo dão margens às mais diversas interpretações. Fico inquieta ao ver apatia por desconhecimento. Falta de sede, falta de fome, é apetite por convenção apenas. É passar pelo caminho porque era isso que estava no roteiro, sem pular o muro, sem subir na árvore, sem invadir um quintal, sem andar em ziguezague. É como comer arroz com feijão todos os dias.



Eu não consigo ficar inerte ao conhecer pessoas assim, sou forçada a plantar uma sementinha de pimenta. Dou na mão um punhado de pólvora e espero que ela exploda alguma coisa, alguém. Ou muita coisa e um batalhão de gente. Mostro uma bandeira e espero que ela faça uma revolução. Na verdade, se apenas olhar o horizonte e perceber que existem possibilidades, já me satisfaz. Já vai ser outra opção e o chuveiro elétrico vai poder escolher entre ter inverno e verão ou não.



O que eu queria mesmo era desencapar um fio, dar choque, provocar um curto circuito. Amo soluções drásticas.



(e conheço boas terapeutas)

Pérolas da Praia:
 
Fido: Mamããããe, socoooorro!!!
Eu: Que foi, Fido???
Fido: Nenê não consegue!
Eu: Não consegue o quê?
Fido: Voaaar!
Eu: Mas a mamãe também não voa, só quem voa é passarinho!
Fido: É?
Eu: Sim!
Fido: E o avião?
 
(Fido 1 x 0 Mamãe)
 
Fido: Quero picolé.
HORA: 05:23 a.m.
 
(Fido 2 x 0 Mamãe)
 
Na fruteira:
Fido: Quero couve-flor.
Eu: Ok, vamos levar.
Fido: Quero agora!
Eu: Fido, eu levo e faço em casa, agora está crua!
Fido: Quero a couve-flor agooooora! (puxando a couve-flor do balcão)
Eu: Quem sabe come um picolé agora... Pode ser?
Fido: Pode.
Eu: Qual picolé? De chocolate?
Fido: Não.
Eu: De coco?
Fido: Não.
Eu: Então olha aqui dentro qual tu queres...
Fido: Quero de couve-flor.
 
(Fido 3 x 0 Mamãe)
 
Fido: Eu quero ligar pra bisa.
Eu: Vamos ligar então!
Fido: Mas tu fala.
 
(Fido 4 x 0 Mamãe)
 
 
E DAÍ, depois da maravilhosa janta que eu fiz pra mim mesma, abri um pote achando que tinha sorvete e era massa com camarão. Decepção de hoje, almoço de amanhã.
 
(Minhã mãe 1 x 0 Eu)
 
Estou levando goleada.
 
 
Música de praia: Djavan, Lilás.
Amanhã



Outro dia


Lua sai


Ventania abraça


Uma nuvem que passa no ar


Beija


Brinca


E deixa passar


E no ar


De outro dia


Meu olhar






Surgia nas pontas


De estrelas perdidas no mar


Pra chover de emoção


Trovejar...


Raio se libertou


Clareou


Muito mais


Se encantou


Pela cor lilás


Prata na luz do amor


Céu azul


Eu quero ver


O pôr do sol


Lindo como ele só


E gente pra ver


E viajar


No seu mar


De raio.

Comentários

Carlos disse…
Chuveiro bom no verão é GELADO (e com bastante pressão)... hehe
Mais um texto incrível!
"Eu também quero couve-flor" - frase que nunca sairá dos meus lábios.
bebety disse…
putz, textos incriveis! parabens lou!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…