Pular para o conteúdo principal

tchau, ano bom

Fim. Acaba mais um ano. Nele acabaram tantas coisas, foram tantos pontos finais. Fica a lembrança de um ano com uma série de sepultamentos. Alguns valores foram enterrados vivos, pessoas foram deixadas na estrada, amores acabados, amizades rompidas, um infinito de adeus. Foi um ano onde outro tanto de coisas brotou, floresceu e agora dará frutos. Alguns sentidos se perderam. Às vezes nada fazia sentido, nem eu. Gostei muito de ter vivido todos os dias, o ano velho permitiu-me ser intensa sem sentir culpa por tudo que faço meio desmedido.



Desejo que o próximo ano seja tão recheado de sensações quanto este. Desejo tantas ou mais provocações. Desejo mais sorrisos sinceros, mais olhos úmidos, mais boca seca de uma sede que possa ser curada. Desejo mais desejos.



Quero poder continuar vivendo e costurando pessoas na minha colcha de retalhos, guardando momentos, lendo o que me faz bem, engordando minha alma. Desejo pra todos que amo que seja possível andar com a cabeça em pé, ter possibilidades de escolha, ter mais luz, ver mais o dia, viver menos as horas e mais o tempo. Quero que haja muito valor em cada companhia, mesmo quando se está sozinho. Quero aprender mais que ensinar. Preciso ficar rica de sabedoria, quero inventar novas palavras, adjetivar substantivos, dar nomes aos novos monstros que surgirão, usar sapato apertado e depois correr descalça. Quero expor as minhas novas teorias, ser chamada de doida. Quero dizer eu te amo. Quero pular umas janelas, subir em uns muros, dançar na chuva, correr nua, coçar a cabeça quando tenho sono.



Quero rabiscar por aí qualquer coisa que só eu entendo.



Quero parar de me importar com o que supõem sobre mim.



Quero poder ser um saco e tomar um porre. Ou mais de um. Talvez vários na mesma noite.



Desejo que a saudade seja imensa porque o coração precisa ser habitado também por lembranças. Mas que a ausência não seja eterna porque a falta precisa ser preenchida para ser gostosa.



Desejo a todos que não têm mais uma pessoa importante, que tenham vivido ao lado dela os melhores momentos que a convivência permitiu. Tomara que também tenham discordado, brigado, discutido, porque a humanidade precisa de diversidade, assim como a morte precisa da vida. Que o próximo ano traga conforto e serenidade. Que a última despedida tenha sido alegre, como quem vai se sentar à mesa daqui a pouco, na hora do jantar.



Desejo um ano com muita saúde, com prosperidade, com vergonha pelo que se deixa de tentar. Desejo um ano em que as pessoas se arrisquem e sejam capazes de inovar. Um corte de cabelo já vale. Desejo compaixão, afeto, mais toque, amizades sinceras, desejo as verdades que são explícitas. E alguns beijos roubados.



Desejo mais liberdade, mais descompromisso e muita responsabilidade, muito trabalho e suor. Desejo prazeres, dos simples aos complexos. Desejo que a completude nunca exista, que algumas dúvidas sejam permanentes. Que a trilha sonora seja agradável, a paisagem linda, mas se não for, que se possa rir disso. E que venham os sonhos, que sejam possíveis, que possamos todos batalhar por ele.



Que se tenha amor.



Que se sinta muito amor.



Que a paixão seja ardida, que as palavras sejam ditas, escritas, lidas, interpretadas. Que não haja fim, mas sim muitos começos dentro das mesmas invenções. Desejo felicidade, não porque é tudo perfeito, apenas porque é possível e menos complicado do que parece. Desejo aceitação, conhecimento e equilíbrio, sem preconceitos. E que se possa ver a noite virar dia.



Feliz ano novo.

Também desejo um tri da Libertadores bem tricolor, um Grêmio forte que orgulhe seus torcedores. E mais um MUNDIAL!
 
 
 
Moonshadow


Oh, I'm bein' followed by a moonshadow,

Moonshadow, moonshadow

Leapin and hoppin' on a moonshadow,Moonshadow, moonshadow.



And if I ever lose my hands, lose my plough, lose my land,

Oh if I ever lose my hands, Oh if....I won't have to work nomore.And if I ever lose my eyes, if my colours all run dry,Yes if I ever lose my eyes, Oh if....I won't have to cry nomore.

Oh, I'm bein' followed by a moonshadow,Moonshadow, moonshadow .Leapin and hoppin' on a moonshadow,Moonshadow, moonshadow.



And if I ever lose my legs, I won't moan, and I won't beg,

Oh if I ever lose my legs, Oh if....

I won't have to walk nomore.

And if I ever lose my mouth, all my teeth, north and south,

Yes if I ever lose my mouth, Oh if....

I won't have to talk...





Did it take long to find me?

I asked the faithful light.

Did it take long to find me?

And are you gonna stay the night?





Oh, I'm bein' followed by a moonshadow,

Moonshadow, moonshadow .

Leapin and hoppin' on a moonshadow,

Moonshadow, moonshadow.





Moonshadow, moonshadow.

Comentários

bebety disse…
da-lhe filosofa!!
Baita texto. Chorei, chorinho.
Feliz ano novo, ano todo, feliz ano!

Muita inspiração, que arte você já faz. E muito bem! Ah, e que continue me deixando de olhos arregalados quando te leio.

Um beijo
Carlos disse…
Eu Desejo que tudo o que tu desejas àqueles a quem Amas te seja desejado com a mesma intensidade e direção, porém em sentido contrário...

E como disse o Merlin uma vez...
"Cuidado com aquilo que desejas,
pois teus desejos poderão ser atendidos...

Te desejo um 2011 muito Kuky!
(claro que tudo em dobro, Kuky + Fido)
Guto disse…
Linda e querida, saudade. Bjao
Amém (ou algo equivalente para os menos espirituoso)

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…