Pular para o conteúdo principal

surra de laço

Uma vez recebi um e-mail de um amigo dizendo que eu merecia uma surra de laço. Foi um jeito grosso de me dar um puxão de orelhas. Funcionou. Naquela ocasião eu estava precisando ler umas verdades que só um amigo pode dizer. Algumas verdades a gente sabe bem a cara que tem. Ainda assim passa um pouco de pó, blush, gloss, tenta deixar mais bonito, mas não tem jeito. A verdade nunca vai ser a moça bonita com quem o homem bêbado foi dormir na noite anterior. O melhor disso tudo é que a surra de laço teve bom efeito. Eu passei a aceitar os fatos, desmembrar a dita situação, dar nomes aos bois e logo o meu bode estava desamarrado. Nada varrido pra baixo do tapete, nenhum sapo engolido.

Depois que tudo passa, quando a gente olha o desenho da situação, acaba perguntando se foi só isso. Sim, um tsunami na banheira. O drama vira comédia com um pouco de sarcasmo, vai tudo pro fogo, apita quando estiver pronto. Mais ou menos por aí que eu parei de gastar energia com o que não precisa. Passei a operar no modo econômico. A bateria é gasta em fazer o mundo girar, pelo menos o meu mundo. E até a minha pressa e meus atropelos me divertem mais. Essa mania de meter os pés pelas mãos, de vestir alguns avessos, cair, levantar, todas as minhas afobações não me permitem mais perder tempo com as pequenas insistências. Algumas insistências são caprichos. Hoje eu me considero pronta pra olhar todos os meus desapontamentos e isso não me faz ter nenhuma carteirinha do clube dos fracassados.

Apenas aprendi que nenhuma vida é possível sem acidentes e desastres.

Eu consigo me ver maior do que a maioria dos meus problemas, ainda que não saiba muito bem qual a solução pra eles. Experimentar é o verbo que mais tem me seduzido. Tenho perguntado um monte de “e por que não”. A resposta vem em forma de sorriso, meu, pra mim. A minha prioridade sempre foi ser em vez de parecer.

Talvez por isso eu não consiga entender o prazer que algumas pessoas têm em viver de mal com meio mundo. Reclamadores compulsivos! Nada é bom tudo é drama. Eu sou implicante, mas por esporte. Nunca chegarei à categoria profissional! Pra essas pessoas sim, falta a tal surra de laço.

O meu maior compromisso com a minha vida é não ter compromisso nenhum. Não prometo pra ela nada que eu não possa cumprir. Não exijo nada que ela não possa me dar. Somos duas amigas gentis. Não estou dizendo que eu não sinta dor alguma ou que a realidade seja um mundo cor-de-rosa. Só acredito que a gente possa colocar mais sol do que nuvens nos nossos dias.

Eu exercito a arte de domar as tempestades.

Pequeno Diálogo que nunca aconteceu:
(eu não perco a esperança que ainda aconteça)




Uma noite de um ano desses aí que eu vivi, num barzinho desses aí que eu fui, com uns amigos aí que eu tenho, encontrei um amor que eu sempre tive: Chico Buarque. Ele estava sentado em uma mesinha discreta em um cantinho escuro e enfumaçado. Olhou pra mim e piscou. Mais do que muito rápido, puxei uma cadeira e sentei ao lado dele.

- Chico, eu sempre soube que nós fomos feitos um pro outro!

- Quê?

- Sim, eu sou o amor da tua vida! Eu sei que parece loucura, mas tu tens que acreditar no que eu estou dizendo.

- Sua doida!

- Chico, presta atenção. Com taaanta gente neste bar, tu piscaste justo pra MIM!

- Não seja boba, foi um cisco no meu olho ou... A fumaça do cigarro. Não pisquei pra ti.

- Ah, Chico, fica quieto... Eu que entendo dessas coisas de amor!



(Tudo isso era eu explicando pra Jô por que, para mim, Chico não é músico, e sim poeta. Agora, como a explicação acabou nisso, eu não tenho a menor idéia.)

E depois disso, eu tenho certeza que ele fez a música Lola pra mim...
 
Sabia

Gosto de você chegar assim

Arrancando páginas dentro de mim

Desde o primeiro dia



Sabia

Me apagando filmes geniais

Rebobinando o século

Meus velhos carnavais

Minha melancolia



Sabia

Que você ia trazer seus instrumentos

E invadir minha cabeça

Onde um dia tocava uma orquestra

Pra companhia dançar



Sabia

Que ia acontecer você, um dia

E claro que já não me valeria nada

Tudo o que eu sabia

Um dia

Comentários

"Eu passei a aceitar os fatos, desmembrar a dita situação, dar nomes aos bois e logo o meu bode estava desamarrado. Nada varrido pra baixo do tapete, nenhum sapo engolido. " - grande frase
Jô disse…
hahaha Sai pra lá chico...
é, ele não entende nada de amor.. diria até que é um amador

a conversa chegou nisso porque eu disse que sempre tive certeza de que ele pega mulher que quiser no mundo! A hora que ele abrir a boca e começar a falar qualque mulher cai aos pés dele!

INCLUSIVE NÓS!
#chicomeliga
just KUKY it disse…
Ah, verdade!!! Por isso chegamos na piscadinha, falei que pra mim, ele não percisava nem abrir a boca, era só piscar! hahahaha
CHICOMUSO
Jô disse…
aaah eu sou bem mais dificil que tu entao.. eu acho as palavras OBRIGATORIAS...
afinal, é chico buarque.. o que ele faz de melhor é usar as palavras! não posso perder a oportunidade!
Clá Puyol disse…
Eu não sabia que tinha uma Lola na vida do Chico também....

Surra de laço é algo que falta na vida de muita gente. Falta ser feliz com o que se tem e só exigir da vida aquilo que ela pode dar. Nisso a gente concorda super. Mas isso de mais sol e menos nuvens, sei lá... i'm only happy when it rains.

S2
Carlos disse…
Consegues te ver maior do que a maioria dos teus problemas, ainda que não saiba muito bem qual a solução pra eles?
Os seus problemas acabaram!
Tu não é Tabajara mas liquida os problemas na origem!

E eu achando que só o Caetano tinha escrito uma música pra ti...
Keila disse…
Eu exercito a arte de domar as tempestades. - disse tudo!!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…