Pular para o conteúdo principal

heidegger não me cai bem

(da série dialoguinhos)


- Era uma vez eu. E ele. Na verdade, eram muitas vezes, uma porção de eu e um montão deles. Não que eu fosse muitas todas de uma só vez, ainda que eu tenha quase certeza de ter múltiplas personalidades, muitos medos de desenvolver patologias, de ser dominada por uma de mim que não é exatamente quem eu sou e jamais voltar a ser eu mesma. Enfim... uma frota de eu, uma frota de eles. Os tempos eram outros, outros princípios, outras visões sobre tudo, outras opiniões, maturidade, objetivos, responsabilidades e vida. Porém, todas essas que eu fui, não eram apenas filhas das situações que eram muitas vezes. Era uma vez cada uma das situações, onde – sim – influenciavam na eu, mas além disso, tinha um pouco de eu dentro de mim. Entendeu?



- Não.



- Bom, vou mais adiante. Era eu, mas não a eu de agora. Todas eu que fui foram inéditas. Surgidas dos imprevistos que a vida impõe. Cada uma uma particularidade e ainda um núcleo fundamental, imutável. Nesse núcleo, as demais partículas se agregavam, conforme cada um deles. Bom, os príncipes sempre eram sapos e os sapos, bom, os sapos se mantinham convictos em serem sapos mesmo. Daí houve uma sucessão de finais infelizes, sem cenas dos próximos capítulos. Também nessas vezes não se faziam continuidades. Nem sequencias ou remakes. Dor, sofrimento, escuridão confusão. Entendeu?



- Ainda não.



- Tu já vai entender. Assim... ao mesmo tempo que hoje eu sou a mesma daquela vez e de todas as outras vezes, hoje eu sou mais uma outra, só que não vinda de todas as minhas eu que já se foram. O que eu quero dizer é que hoje eu sou exclusiva, jamais impressa, inédita na totalidade, mas que em vez de ter agregado no meu núcleo fundamental quilo que vinha de mim, zerei tudo. Não sou inédita por agregar um pouco de tudo que já se foi, porque já se foi mesmo. Eu sou nova porque sumi. Aos poucos venho surgindo. Tem sido bom porque eu nem acreditava mais que pudesse me montar, ainda mais tendo como base o nada, um completo vazio. Entendeu?



- Tu andaste lendo metafísica de novo?



- Talvez um pouquinho de Heidegger, eu nem gosto muito dele. Gosto mesmo das teorias sistêmicas!



- Tudo bem, mas onde tu queres chegar?



- Ah, esquece. Resumidamente, todas as incertezas assinaram a lista de presença, o que me leva a crer que há incontáveis variáveis, muitas possibilidades, uma vastidão de escolhas e oportunidades. Estou feliz por viver. E empolgada com tudo. Adorando preencher o nada.



- Às vezes tu falas entre aspas.



Há dias em que eu passo longe de qualquer coisa que lembre casinha.
Mesmo nesses dias, eu adoro brincar de casinha...
 
 
----
 
Gerânio - Marisa Monte (já disse que eu adoro gerânio)
 
 
Ela que descobriu o mundo



E sabe vê-lo do ângulo mais bonito


Canta e melhora a vida, descobre sensações diferentes


Sente e vive intensamente






Aprende e continua aprendiz


Ensina muito e reboca os maiores amigos


Faz dança, cozinha, se balança na rede


E adormece em frente à bela vista






Despreocupa-se e pensa no essencial


Dorme e acorda






Conhece a Índia e o Japão e a dança haitiana


Fala inglês e canta em inglês


Escreve diários, pinta lâmpadas, troca pneus


E lava os cabelos com shampoos diferentes






Faz amor e anda de bicicleta dentro de casa


E corre quando quer


Cozinha tudo, costura, já fez boneco de pano


E brinco para a orelha, bolsa de couro, namora e é amiga






Tem computador e rede, rede para dois


Gosta de eletrodomésticos, toca piano e violão


Procura o amor e quer ser mãe, tem lençóis e tem irmãs


Vai ao teatro, mas prefere cinema






Sabe espantar o tédio


Cortar cabelo e nadar no mar


Tédio não passa nem por perto, é infinita, sensível, linda


Estou com saudades e penso tanto em você






Despreocupa-se e pensa no essencial


Dorme e acorda

Comentários

Carlos disse…
E tem aquelas vezes que tu perde a chave da casinha, né?
Mas, com ou sem as chaves, esta casinha continua Única!

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…