Pular para o conteúdo principal

o genérico da ritalina

Já confessei minha inquietude várias vezes. Já disse que raramente sossego, que estou sempre mexendo em alguma coisa, pinicando alguém, atormentando um gato. Adoro passear pela casa desalinhando algum quadro, trocando fotografias de lugar. Adoro transplantar a vegetação. Se estou quieta ou estou lendo ou morri. Aconselho verificar. Mesmo dormindo, minhas ideias estão acontecendo. Percebo isso quando eu acordo, parece que não descansei, mas pensei sobre muitos assuntos. Minha mente é inquieta. Meu cérebro não respeita ordem, organização, hierarquia. Leio três livros por mês, às vezes mais. Nunca primeiro um depois o outro. Sempre tudo ao mesmo tempo. Estou concentrada numa coisa, outra vem e invade, emendo as duas, pronto. Prejudiquei o soneto. Falo sobre coisas grandes enquanto penso em pequenices e vice-versa. Inicio na lista do supermercado. Termino na previsão do tempo. Sendo que passei pelo horóscopo no meio dos assuntos. Durante um café alguém me disse “tu és uma usina”, referindo-se a essa minha falta de foco. Odeio reuniões. Não consigo ficar concentrada numa coisa só. Faço reuniões de corpo presente e mente oscilante. Vem, olha, vai. Repete. Gasto calorias nessas caminhadas de ideias.



Não gosto quando dizem que eu tenho TDA. Prefiro que me encarem como uma pessoa plurifuncional de pensamento difuso. Só isso.



Outro dia perguntaram-me se eu tratava meu TDA. Nunca fui diagnosticada porque nunca fui ao médico para saber se tenho TDA. Mas creio que sim. Meu pai tem, minha irmã tem, minha mãe – provavelmente – tem, logo, por que eu não teria? Sofreria pela exclusão familiar. Poderiam me pedir teste de paternidade. Primeiro que não sou parecida com ninguém. Ainda por cima vir sem TDA?! Praticamente um sinal de nascença. Uma marca registrada do meu clã.



Então tenho TDA, tudo leva a crer. Porém, acredito que sou muito disciplinada. Muito mesmo. Quando digo que sou estudiosa, não me levam a sério, mas é verdade. A meditação me ajudou muito nisso. Aprendi que preciso de um momento do dia para parar e respirar. Suspirar. Preciso observar. É a folga dos meus atropelos. A usina é carregada de combustível. Varro pra dentro quase tudo que vejo. Limpo a casa, mas encho a cabeça de quinquilharia. Um dia pode servir pra alguma coisa. Um dia posso fazer um brechó!



O resultado oscila entre a perfeição e a tragédia. Não que a tragédia não possa ser perfeita, mas é dona de uma perfeição retorcida, de difícil compreensão. Olha o que são as tragédias gregas, a complexidade. As minúcias, os detalhes. Não se pode deixar passar nada. Coisa que uma pessoa com TDA só consegue com muita disciplina. Aconselho a meditação para todos que conheço. Um momento dedicado à observação, ao pensamento livre. Um encontro com energias superiores. É quase uma oração rezada de fora pra dentro. Acho que Deus fica mais satisfeito comigo quando medito do que quando eu declaradamente rezo. Mas meditação nem sempre se faz num quarto escuro, abusando da solidão.



Esta semana sentei no cordão da calçada e fiquei observando as árvores no outono. Elas se despedem das folhas, as atiram no chão como se fossem beijos de gratidão. É o jeito que as árvores têm de agradecer ao chão por cuidar das suas raízes, permitir que elas ali se estabeleçam e se alimentem. É um ciclo interessante. Porque as árvores ficam nuas no outono e muito vestidas na primavera. Daí elas estão mostrando que a natureza sabe o que faz. Nós também perdemos as folhas nos nossos outonos. Velamos o que não temos mais. Elaboramos nosso luto como quem passa por um inverno rigoroso e depois temos a primavera. É da nossa natureza florescer. É da nossa natureza que venham as flores depois dos períodos de frio. Deus sabe o que faz. Alinhava tudo, faz de todos os eventos a colcha de retalhos da existência. Por isso as nossas atitudes exigem cuidado, haverá repercussão. Em algum lugar, em algum momento, causa e efeito. Estamos unidos.



O momento foi gratificante, o sol estava indo deitar atrás das nuvens. As cores e as texturas do céu eram pintadas em aquarela. Parar, respirar, olhar pra dentro, olhar pra fora. Deus não nos deixa recado na geladeira, porque o que Ele diz não se lê só com os olhos. Precisamos disciplinar nossas vidas, mas precisamos mais disciplinar nosso espírito.



Ter a mente inquieta pode ser uma dádiva.

Mas um espírito inquieto é preocupante.

Para mim a paz de espírito é o genérico da ritalina.



Vai uns engenheiros aí?!


Pra que tanta inteligência?



Pra que tanta emoção?


Qualquer coisa em excesso faz sucesso meu irmão


Quanta gente com certeza


Tanta gente sem noção


Em excesso até o fracasso faz sucesso por aí


E eu tenho fé na força do silêncio


Se as cores vão berrando no sol ensurdecedor


Fecho os olhos… Outro mundo


Vou morar no interior


Transbordou a mesa ao lado


Um tsunami arrasador


Fecho os olhos… Outro mundo


Vou morar no interior


E eu tenho fé na força do silêncio


A fé que me faz


Aceitar o tempo


Muito além dos jornais


E assim mergulhar no escuro


Pular o muro


Pra onda passar


Vi um punk na farmácia atrás de protetor solar


Baile funk no plenário


Ambulância quer passar


Futebol, mesa-redonda, exorcista, camelô


A onda agora é outra onda


Um tsunami arrasador


E eu tenho fé na força do silêncio


A fé que me faz


Aceitar o tempo


Muito além dos jornais


E assim mergulhar no escuro


Pular o muro


Pra onda passar

Comentários

Keila disse…
Bom, eu acho que TDA é só um nome cientifico para o aquarianismo, se não for, a gente diz que sim.

Sempre pensei que a mente inquieta é até aceitável, mas o espirito é preocupante.

Meditação é a salvação. E tu sempre arrasa!
jo disse…
Eu tenho TDA, diagnosticado e as vezes medicado.. hahaha depende da minha disposicao, se quero foco ou criatividade...

Maaas meditar: #comofas?
gui disse…
Já cansei de te diagnosticar. Teu TDA é gritante. Colecionadora de adjetivos INS. Amo vc, boa pascoa pra ti e pro bocudinho!
Carlos disse…
TDA? A Kuky??? Nããããoooo....

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…