Pular para o conteúdo principal

estudo antropológico (I)

Podem me crucificar pelo que vou dizer agora, mas um homem de verdade precisa ter seu futebol semanal. Ou coisa que seja equivalente. E digo mais: pelo menos semanal. Se for mais de uma vez, beleza. Se for um dia de futebol, outro do tênis, mais um de pôquer e outro de paintball, que bom! Se tiver churrasco depois do futebol, melhor ainda. Um atleta precisa repor líquidos, cerveja é válida. Um atleta precisa comer proteínas, ainda que oriundas de uma bela costela pingando gordura em cima do carvão em brasa. Hmmm, até eu fiquei com água na boca!

Um homem precisa se reunir com seu clã. Eles precisam gastar energia física e mental em conjunto. Precisam correr, precisam disputar a bola, urrar a cada gol feito – sem dancinhas, por favor. Depois eles precisam comentar cada lance, de preferência durante o churrasco, relembrar o drible, aquela bola no meio das pernas, o chute no travessão. Debocham de quem perdeu como se fossem renegados das cruzadas e minutos depois servem um copo de cerveja bem gelada. Isso é másculo! Aos menos interessados na vida esportiva, vale ser maçom, participar da confraria do charuto, clube do livro, maratonistas do xadrez. Vale. Importa é que os machos encontrem um nicho seu, um habitat natural e ali, entre os outros de mesma espécie e gênero, desenvolvam seus instintos selvagens, de sobrevivência, do que mais precisarem. Depois eles  voltam pra casa. E voltam aos braços da sua amada.

Eles funcionam assim.

Em casa lavarão a louça, carregarão as compras, esticarão o lençol amarrotado da cama, massagearão os nossos pés e – o mais importante – aprenderão a respeitar o nosso tão necessário momento de solidão. Necessário e delicioso. Poderemos ler o nosso livro, assistir comédia romântica, tomar um vinho com as amigas, ficar horas pendurada no telefone com a mãe ou simplesmente, poderemos decidir ter apenas a nossa própria companhia. Não é uma troca. É um fato antropológico. SIM! Esta é a minha teoria (mais uma!!!!), desenvolvida e criada por mim, tendo por base as minhas próprias observações nem sempre confiáveis. Ah, esqueci de comentar, apenas ir na academia não vale.

Um homem que tem seu espaço junto com os seus semelhantes sabe que a mulher tem os seus também. E sabe que lá, naquele espaço, é que deve ter seus ataques de macho. Não em casa, onde deve ser gentil. Um homem entende as coisas vendo, fazendo, participando, depois precisa dos comentários, como nos churrascos. Eu, com meu feeling mulherzinha, pergunto se está tudo bem, quero desenvolver o assunto. "Tu fez gol?" Há motivo para os jogos de futebol ter um narrador e um comentarista. Eu, particularmente, dispenso o comentarista, acho que o pobre está ali chovendo no molhado, me diz o que eu já vi, o que o tira-teima já mostrou e ainda insiste em alguma piadinha sem graça. O homem gosta, discute com a TV. Xinga o rádio, troca de estação.

 

É assim que aprendem, é assim que buscam afirmação das suas opiniões. Viu? É um estudo antropológico. Por isso sou contra vetar o cara das suas práticas esportivas, ainda que sejam praticadas de segunda a segunda. Sempre vou ter o que fazer, sempre invento algo, preciso disso. Não gosto que tenham ciúmes da minha solidão, dos tempos longos e vários que eu preciso e gosto de passar comigo. E o melhor é que eu posso ainda ser a minha narradora, comentarista e trocar a minha estação! Adoro!!!

 
Viva quem sabe ficar junto separado e separado junto. Manter a individualidade é o segredo!
 
 
---------
(melhor cantada de tooodas, o cara que pede tudo, como quem não quer nada...)
 
 
My Yard
Jamie Cullum


So hail a taxi cab and come around here


And i will meet you right outside.


I got some dvds and a couple of beers,


If you want to,


We can stay up all night.


It's nothing fancy, just a little couch and me


And conversation for your mind.


So let's explore all the possibilities


Of the things that we both talked about last time.






Chorus:


Take a trip to my yard


Don't you know the grass is greener on the other side?


Take a trip to my yard


Don't you know the love that you've been dreaming of is mine?






I'll be your neighbour at the other end of town


And the benefits you soon will find.


So let's enjoy the fact that we're on our own


And we will answer to nobody else this time.


Tonight might be nothing but the moon and me


Any time that we take the script and flip it baby


Take a trip to my yard






Chorus:


Take a trip to my yard


Don't you know the grass is greener on the otherside?


Take a trip to my yard


Don't you know the love that you've been dreaming of is mine?





Comentários

Louise, sua lhinda. Suas teorias dominarão o mundo!!! hahhaha'

Belíssimo texto, minha querida!
Verdades, verdadonas!rs
Keila disse…
Kuky, que texto é esse? Ótimooo! Adorei e concordo muito com essa teoria.
Amei a foto também. Tá linda!
Carlos disse…
Kukymera! Definitivamente, TU NÃO EXISTE! Essa foto deslumbrante deve ser uma miragem. Uma ilusão proposta pela nossa mente ávida em encontrar a Mulher que se encaixe, não apenas entre corpos, mas também e principalmente, entre estas mui bem-vindas diferenças de gênero. Tudo isso e ainda LINDA como só!!!
Bom demais pra ser verdade...
Maya disse…
Sensacional! Tudo grande verdade.
beijos
fato fatíssimo fatificando na fatolândia!!!

PS- que reação maravilhosa de alegria foi essa na foto? Adorei o sorrisão de gente feliz.
Anônimo disse…
essa mulher é incrível... mas só um pouco ehhehe
BETO disse…
Dona Bocuda das Revoluções, feliz do homem que conseguir conquistar vc!
Ensina isso p Baixa!!!! huahuahua
Saudade, liga p mim. Semana q vem to em POA. bj
Anônimo disse…
Fantástica, linda e única!
Rick disse…
Não... vc não existe! Rs...

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…