Pular para o conteúdo principal

letras minúsculas e páginas em branco

Não, não quero ser única pra alguém. Não como a maioria das pessoas quer. Não quero ser o único amor, não quero ser a única a construir história. Não quero alguém sem história. Não quero alguém sem passado. Não quero alguém que seja uma página em branco, em primeiro lugar porque não acredito que nesta altura do campeonato isso exista. Negar o passado já seria um início mentiroso. Não quero alguém descobrindo em mim do que gosta e do que não gosta. E eu não vou negar nada do que já vivi e senti.

Chega de negar, é hora de assumir. Aqui, nesta vida, já se amou e desamou, já foram contabilizados erros e acertos, já se foi feliz ao lado de outra pessoa. É tempo de dizer sim pro que ficou pra trás, é de lá, daquelas experiências que vem o que somos hoje. Tudo que passei até aqui me fez ter opiniões, saber do que eu gosto, o que eu tolero, o que eu repudio. Detestaria ter ao meu lado um ser vazio, esperando pra ser preenchido exclusivamente por mim. Quero trocar, quero que me contem histórias, quero desbravar as pessoas.

O interessante é desbravar alguém como um território novo. Eu gosto de observar a arquitetura das pessoas, as formas, descobrir por onde entra a luz, no que faz sombra, aqui é quente, ali é frio. Quero saber por que a tua parede é pintada de amarelo. Me conta de onde veio esse tapete. Quero conviver com gente que já sangrou, que teve feridas, que sabe onde aperta o sapato, porque eu também sou assim. Quero poder falar de onde sai o meu sorriso, o que faz ter sol no meu dia e, lamento, mas isso vem do meu passado. É o que eu já vivi que me personaliza e assim sim, eu sou única, tendo sido tantas. Eu sou muitas guardadas em mim.

Contraditório?!

Não, versátil. Somos seres adaptáveis. Precisamos mudar sem ter medo das mudanças. Se vamos mudar juntos ou separados, já é outro problema. Eu não sou uma página em branco, sou sempre uma nova história, pronta pra ser reescrita. Pra quem implica com meus textos que têm sempre títulos em letras minúsculas, é por isso. Letras maiúsculas representam inícios, estão nos começos das frases. Meus títulos em minúsculas são sempre as continuações de mim e de tudo que represento, os começos estão ao longo do texto, como estão ao longo da vida.

Não gosto de ser sufocada. Gosto mesmo é quando me roubam o ar. A melhor maneira de fazer isso é me surpreender. Eu me surpreendo com quem tem história, com quem sabe explicar alguns porquês e com quem convive bem com os porquês que não sabe de onde vieram. Gosto de tentar desvendar. Gosto de escrever histórias únicas a quatro mãos. E não tenho a menor vergonha de colocar nelas mais um título com letra minúscula.


Who Says


Who says I can’t get stoned?
Turn off the lights and the telephone
Me and my house alone
Who says I can’t get stoned?


Who says I can’t be free?
From all of the things that I used to be
Re-write my history
Who says I can’t be free?


It’s been a long night in New York City
It’s been a long night in Baton Rouge
I don’t remember you looking any better
But then again I dont remember you


Who says I cant get stoned?
Call up a girl that I used to know
Fake love for an hour or so
Who says I cant get stoned?


Who says I cant take time?
Meet all the girls on the county line
Wait on fate to send a sign
Who says I cant take time?


It’s been a long night in New York City
It’s been a long night in Austin too
I dont remember you looking any better
But then again I dont remember you


Who says I cant get stoned?
Plan a trip to Japan alone
Doesn’t matter if I even go
Who says I can’t get stoned?


It's been a long night in New York City
It's been a long time since 20 too
I dont remember you looking any better
But then again I dont remember, I dont remember you
 
******** Se John Mayer não fosse tão galinha, seria um bom partido. Parece que esse é o mal que atinge os bons moços de hoje em dia.

Comentários

Keila disse…
Aquarianas e essa mania de querer desbravar o outro... e o mundo! O hoje é uma consequencia do ontem, também não acredito em paginas em branco.
Texto muito bom!
kukilets, sempre com uma boa reflexão (comentários em minúsculas p/ manter o clima)
Carlos disse…
Não queres ser única? Lamento informar, Querida... Kuky, SÓ TEM UMA!!!
Mais ou menos assim: http://www.youtube.com/watch?v=tgd46QiHz4I
Vou mais longe! Na evolução da espécie, deves estar uns 2 ou 3 estágios na frente da maioria. Sei como é isso... hahaha
Te adoro, Guria! A cada “Post” mais!
Bom feriadão e Beijo Farroupilha!
Guilherme disse…
Perfeita.
BETO disse…
Bocuda, o fato é q todos sentem ciumes do passado. Sei lá, complicado isso. Eu vou ter q pensar algum tempo.
bj

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…