Pular para o conteúdo principal

desejo

Há um desejo. As explicações poderiam nem começar por aqui. Eu poderia não explicar que o meu desejo é uma matrioshka. Vejo-me enfileirando as bonequinhas em ordem decrescente, nominando uma a uma com aquilo que compõe o meu desejo. Batizando o infinito de cada universo que faz parte do que eu quero.



Meu desejo é novo, a ponto de me deixar confusa. É um querer duvidoso. Tenho certeza dele, mas não tenho certeza de como, quanto. Eu não sei mensurar as consequencias, os riscos, mal sei da onde veio. Ainda não avaliei o tamanho da queda porque ainda não tirei os pés do chão. Ele me exige isso, leveza para flutuar. Vem me tirando o sono, fatiando minhas madrugadas, transformando meu travesseiro em pedra e, ao mesmo tempo, ocupando lugares no meu dia, espalhando migalhas na minha trilha, forjando encontros, simulando diálogos.



Posso sentir o atrito de cetim na ponta dos dedos, virando renda perto do rosto. É um desejo corajoso de surpresa. Não posso dizer que gosto, porém sinto medo, isso seria muito clichê. Posso dizer que não conheço e me encanta; que jamais provei e sei que quero me embriagar dose por dose. Eu sei o que foi que me seduziu, eu sei qual foi o imã que me atraiu, conheço o porquê de ter vindo parar na frente dessa vontade. O meu desejo é abstrato, desregrado, displicente, sem compromisso ou hora marcada. Essa vontade que eu sinto não tem o menor respeito por mim. Sequer foi capaz de perguntar se eu estava pronta. Fez entrada triunfal na minha vida, atropelou o meu sossego, não satisfeita, zombou do meu espanto. Resta-me manter a calma.



O meu desejo tem riso, tem aventura, tem sedução. Hoje quase foi embora, segurei pelo pé. Fazia horas que não me aparecia um bom desejo. Eu andava muito querendo desejar, faltava começar. O nome desse desejo é paixão. O que vier depois, eu invento na hora. A minha vida é feita de improviso. Não escrevi certo por linhas tortas, minha folha nunca teve pauta. O que eu tenho é no máximo uma margem: de erro.


+++

Fido ganhou um carro com porta-malas. Perguntei o que ele carregava, ele respondeu "pedras e letras". Eu amei a resposta, no meu também tem isso... e mais um pouco.
+++

Te querer



Viver mais pra ser exato


Te seguir


E poder chegar


Onde tudo é só meu


Te encontrar


Dar a cara pro teu beijo


Correr atrás de ti


Feito cigano, cigano, cigano


Me jogar sem medir






Viajar


Entre pernas e delícias


Conhecer pra notícias dar


Devassar sua vida


Resistir


Ao que pode o pensamento


Saber chegar no seu melhor


Momento, momento, momento


Pra ficar e ficar






Juntos, dentro, horas


Tudo ali às claras


Deixar crescer


Até romper


A manhã


Como o mar está sereno


Olha lá


As gaivotas já


Vão deixar suas ilhas


Veja o sol


É demais essa cidade!


A gente vai ter


Um dia de calor...

(Cigano - Djavan)

Comentários

Carlos disse…
Paixão de Verão?
Anônimo disse…
Que maravilha, ruiva.
Anônimo disse…
Suerte! Linda foto. É bom desejar isso. Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…