Pular para o conteúdo principal

suporrinhações

Aos que insistem em supor qualquer coisa a meu respeito, não mais pedirei que não o façam. Façam. Concedem-me o grande prazer de contraditar bobagens, ainda que mentalmente. E me fazem o favor de abastecer a minha inquietude com as certezas que eu não quero ter. No momento em que tudo fizer sentido, perderei eu o sentido de ser. Prefiro organizar não quem sou, mas o que sinto. Prefiro me fazer companhia e discutir conceitos próprios a agradar opiniões alheias. Nasci do avesso, me conservo assim. Nasci com fome, olhos grandes, atentos e um nariz que aponta pra frente, ainda não mudei isso.



Quando me apontam chamando de egoísta, acho graça. Eu sou umbiguista, é bem diferente! Minhas abdicações são sigilosas, não preciso pintar um muro com a lista das minhas concessões. Prefiro pintar os muros com as marcas das minha mãos, sujas em alguma poça, molhada em alguma água, mergulhada em alguma cor. As minhas digitais têm muitas histórias. Invento fatos, desinvento pessoas, reformo e reconstruo com meu tempero qualquer coisa que eu precise chamar de verdade. Os tropeços enriquecem a viagem.



Os meus porquês não são respondidos fora de mim, são construídos aqui com zelo, como castelos de areia. São estruturados, mutáveis, moldáveis. As minhas indecisões são crocantes, os meus medos são terríveis. As minhas razões não têm compromisso nem comigo. Eu não posso dizer que aprendi a observar as relações por ângulos diferentes, eu nunca soube aprender a ser diferente. Só sei ser eu. O problema é que eu sou tão vasta e infinita que as minhas possibilidades atravessam qualquer conceito ou rótulo que possam querer me dar. Nem todo mundo consegue medir o meu tamanho. Ao me supor, criam teorias: pra minha solidão, pro meu humor, pros meus excessos, para as minhas compulsões. Querem saber por que eu não gosto de leite, por que eu durmo pouco, por que eu faço cara de espanto e faço graça quando ninguém vê. Algumas coisas são só por charme, puro capricho. Mas são minhas, muito minhas, preservo tanto quanto meus segredos mais impublicáveis. Sou certa dos meus erros. Ando vivendo demais pra mim. No meu copo cabe sempre mais um gole de qualquer coisa que me faça cócegas nas alegrias. Não consigo beber a tristeza por vontade própria, nem imagino onde guardei a garrafa.



Insistem em colocar interrogações nas minhas molduras, eu, que sou pura exclamação, apesar de amar as reticências. Não sigo trilhas, não tenho mapa, não uso relógio. Pra achar a lua, é só olhar pra cima. Prefiro descomplicar, fazer do meu jeito. Quando dá errado, fogo! Alguma coisa vai nascer... Se não nascer, valeu ter feito fumaça. Eu não me prendo, não tenho amarras, mas crio vínculos. Eu sei amar como ninguém sabe. Eu sei olhar o que quase ninguém vê. E pra quem diz que eu não sei o que eu quero, lamento. Eu sei. É simples e raro. Por que eu não digo? Ninguém me pede com jeitinho.



Continuem supondo. Ainda tenho que voar muito por aí.




Ask - the smiths


Shyness is nice, and

Shyness can stop you

From doing all the things in life

You'd like to





Shyness is nice, and

Shyness can stop you

From doing all the things in life

You'd like to



So, if there's something you'd like to tryIf there's something you'd like to try

Ask me - I won't say "no" - how could I?





Coyness is nice, and

Coyness can stop you

From setting all the things in life

You'd like to



So, if there's something you'd like to tryIf there's something you'd like to try

Ask me - I won't say "no" - how could I?





Spending warm summer days indoors

Writing frightening verses

To a buck-toothed girl in Luxembourg





Ask me, ask me, ask me

Ask me, ask me, ask me





Because if it's not Love

Then it's the bomb, the bomb, the bomb

The bomb, the bomb, the bomb, the bomb

That will bring us together





Nature is a language - can't you read?

Nature is a language - can't you read?





So ask me, ask me, ask me

Ask me, ask me, ask me

Comentários

Keila disse…
Egoísmo e umbiguismo nem todos sabem a diferença. São tão bons teus textos. Tem sempre uma frase que a gente se encontra.
Carlos disse…
Pedido de começo de ano:
Kukynha, NÃO MUDE NUNCA!!!!

Trilha sonora pro texto de hoje: http://www.youtube.com/watch?v=BliqScxpNRs&feature=related
Tava rolando na Radio Elétrica da Katia Suman enquanto eu te lia...
Anônimo disse…
Adoro passar por aqui, virei leitora constante.
Beijos,Isa.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…