Pular para o conteúdo principal

roberto carlos com sucrilhos



Raica é uma gata sem raça que eu chamo carinhosamente de franga por causa da pelagem carijó. Foi abandonada em uma rodovia federal quando era tão pequena que mal sabia tomar leite no pires. Tinha mais pulgas do que pelos quando veio morar comigo. Foi amor imediato, sempre gostei de vira-latas, ainda mais com focinho cor de laranja. Ela tem lindos olhos verdes e o mesmo olhar de ressaca de Capitu, olhos de água. A Raica tem uma personalidade maravilhosa, adoro os deboches que ela faz. É praticante da arte do incômodo. Analisa os outros como quem separa feijões para o almoço.



É uma pequena usurpadora. Se eu descuido do meu vinho, ela toma. Levanto da cama, ela deita no travesseiro. O melhor lugar do sofá é o dela. Ela também tem o melhor lugar do inverno quando a lareira está acesa, lugar de destaque no presépio quando é natal, deita em cima do jornal quando estou lendo e morde meus lápis quando rabisco. Quando tem frio, se aquece no George Hagi – peludíssimo Himalaia blue point –, se fica com calor, morde as orelhas dele até que saia, deixando- a reinar soberana sobre a poltrona.



Gosto dela por ser uma incompreendida e não ligar. Nós duas somos curiosas, nós duas somos atrevidas. Ela é mais prudente, evita muros altos enquanto eu escalo nuvens. A Raica cai sempre em pé. Eu ostento uma coleção de cicatrizes no corpo e fora dele.



Se quer carinho, invade o colo. Se não quer, declara guerra a quem respira. Ataca sombras, cria monstros e faz tocaia no jardim. Uma bolinha de papel se transforma rápido em arqui-inimigo (que feia essa nova grafia!!!).



Raica odeia bagunça, detesta que falem alto ou soltem gargalhadas. Tem mania de organização. Quando Hagi, como bom macho, não enterra suas cacas na caixa de areia, ela vai lá e faz, fulmina ele com os olhos. Mostra sua ira com as orelhas pra trás.



Quando quer carne, mia languida. Quando quer leite, afaga a geladeira. Quando quer incomodar, persegue as pessoas pela casa, caminhando entre as pernas. Quando tem insônia, eu não durmo.



Castiga meus descuidos largando pelos nas minhas roupas escuras. É uma maneira que encontrou pra eu pensar nela enquanto estou longe.



É minha companheira de filmes, ouvinte de desamores, testemunha das minhas manias e sócia dos sorvetes nas madrugadas. Ela adora ouvir Chico Buarque, olhar a chuva e dormir no sol. Tem classe, anda como se estivesse na passarela. Lambe as patas com dedicação.



Ela e eu nos damos bem, muito bem. Eu a aperto, amasso, esmago, toco pra um lado, puxo para o outro e ela sempre está em volta de mim. Ela me faz confissões com suspiros. Eu a admiro. Gosto de tipos diferentes, que me dizem muito não apenas com palavras – ou miados.



Talvez o grande sucesso das relações seja encontrar o charme no comum, o prazer no feijão com arroz. E, junto, aceitar e compartilhar o incomum. Há muito que se descobrir.



Uma vez, com olhos de piscina, alguém me confessou que gostava de Roberto Carlos.



Tudo bem, eu como sucrilhos sem leite, fazendo um falso ar blasé nas manhãs de sábado.

 
Essa garota é papo firme, é papo firme, é papo firme
Ela é mesmo avançada e só dirige em disparada
Gosta de tudo que eu falo, gosta de gíria e muito embalo
Ela adora uma praia e só anda de mini-saia
Está por dentro de tudo e só namora se o cara é cabeludo
Essa garota é papo firme, papo firme
Se alguém diz que ela está errada ela dá bronca, fica zangada
Manda tudo pro inferno e diz que hoje isso é moderno

Roberto Carlos - É papo firme
(depois dessa, capaz de chover a semana inteira... eu vou dar o link pras reclamações se isso acontecer!)


***

1 - Não me faça perguntas que eu não quero responder!
2- Mas eu nunca sei o que tu queres responder...
1- Hoje não quero responder nada, quero só comer miojo e conversar.
2 - Conversar sem perguntas?
1 - Isso é uma pergunta!

***

2 - Noooossa, pra que tanta pimenta?
1 - A gente não combinou sem perguntas?
2 - Falei com o MIOJO! Não se meta!

***

1 - Ok, pode me perguntar...
2 - Agora não quero.
1 - Mas eu passei a janta toda falando e tu mudo! Não aguento mais ouvir a minha voz... cansei do monólogo.
2 - Azar é teu, não é comigo que vai fazer um binólogo agora.

***

Quando amigos muito amigos ficam longe por mais de UM MÊS, é proibido proibir perguntas!

Comentários

BETO disse…
Rá sua ligeira. Foi eu sair daí e vc colocou a nossa conversa. Posta a foto de comequieta do teu niver.
Bocuda, amo voce.
bj
Carlos disse…
Ahhh... se essa Gata falasse... Ninguém acreditaria nela! haha
Totalmente "Gata" na foto, LINDA!
Beijão!
Gisa disse…
Olhos de piscina? Quem será?
Beijo
Rick disse…
Adorei o post.
Divertido e inteligente.
Preciso rever os meus conceitos sobre gatas.
No plural mesmo.
Anônimo disse…
Linda vc, a gata e o texto.
bjs

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…