Pular para o conteúdo principal

indicador rebelde

Eu dedilho o tampo das mesas do mindinho ao indicador quando estou com pressa. O dedão fica fixo, observando o trabalho em vão dos colegas, como se aquela agitação pudesse acelerar as pessoas ou o ponteiro do relógio. Não faço uma nem duas vezes, faço centenas. Mão esquerda ou mão direita e as duas juntas, quando os dois dedões - um de frente pro outro - se distraem conversando sobre o tempo. Não faço no sentido contrário, meu indicador não é um bom batuta, a mania perde o ritmo. Poucas coisas são tão ruins quanto manias descompassadas. Manter a ordem de uma mania, como a hierarquia discreta entre os dedos, cada um levantando, baixando ao seu tempo, tocando o tampo com pressões distintas, adequadas para o mesmo som exige aperfeiçoamento. Meus indicadores não possuem este dom da regência, não são obedientes, são traidores. Mais que isso, são desonestos.


A minha pressa é muito exata. As minhas manias são muito organizadas. São moças que estudaram em colégio de freira, com saia plissada e meias longas, do tipo que pouco se vê hoje em dia. Elas estão em mim, porém, são diferentes de mim.


Eu comporto um universo, mas não me comporto.


Meus indicadores apontam sempre o caminho oposto ao que a minha boca fala. Eu digo esquerda, eles apontam a direita. Ainda que o caminho correto seja pegando a direita e que eu não tenha a menor noção de direção – o que vale pra mim é dobra pra lá, dobra pra cá – os indicadores trapaceiam no desejo de me perder. E quando eu quero me encontrar, apontam – precisamente – a pessoa errada.


Apesar de tudo, eu sou uma boa causa, o que complica é que eu sou meio urgente.


Quero os gostos em tempo real. Quero as felicidades já, quero os risos sinceros, quero ouvir uns nãos de verdade. Não perco tempo com as jogadas ensaiadas, fazendo de conta, dizendo que não quando tem um sim luminoso piscando na minha testa. Eu não gosto de sentir nada abreviado, mas empilho sentimentos, sem muitas explicações. Atropelo sem maiores cerimônias. Se me desagradam as entradas nada discretas que eu faço, as saídas triunfais, nem comento. Mas não faço por mal... sempre tenho muita pressa em ir embora porque tenho urgência em saber se vou voltar. Minhas incógnitas fazem parte do meu show. Minhas ambiguidades, minhas indecisões, minhas certezas líquidas e decisões de porcelana, nada consegue ser perpétuo. O que eu combino pode ser descombinado e posso mudar a regra do jogo que eu inventei. O mundo é muito dinâmico pra eu ser estática. Eu tenho pressa. E tenho dedos traidores.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~


La ecsplicación soy djhô

(mi espanhol es fueda!!!!)


E quando eu disse nunca mais com o dedo – o mesmo desonesto – em riste, saindo pra qualquer lado, entrando no carro de qualquer jeito, ele deu risada, me pedindo pra baixar o vidro. Eu, ainda com o dedo em riste e uma fileira de xingamentos loucos pra saltarem da ponta da minha língua, baixei. Puxei o ar. Ele pegou meu indicador com a mão, encostou no meu nariz e disse:


- Tu não podes mais reclamar que os teus cabelos são rebeldes, tu inteira é rebelde.


Os xingamentos voltaram pro fundo da boca, engoli todos, um por um. No meu rosto, um sorriso se desenhou com giz, como aquele que as professoras do primário desenhavam no sol, no canto do quadro.


Foi o primeiro que ganhou esse sorriso.

E perderá tantos outros.


*****

Definitivamente, eu não funciono muito bem.
É divertido.


*****

Retrato de costas, tentando domar o indomável bêlo. Quando quero liso, ele enrola, quando quero ondas, ele escorre.



Sometimes (I Wish) - City and Colour

If I was a simple man,

Would we still walk hand in hand?

And if I suddenly went blind,

Would you still look in my eyes?

What happens when I grow old?

And all my stories have been told?

Will your heart still race for me?

Or will it march to a new beat?

If I was a simple man





If I was a simple man,

I'd own no home, I'd own no land

Would you still stand by my side?

And would our flame still burn so bright?





Sometimes I wonder why,

I'm so full of these endless rhymes

About the way I feel inside

I wish I could just get a ride





If I was a simple man

And I could make you understand

There'd be no reason to think twice

You'd be my sun; you'd be my light

If I was a simple man...

If I was a simple man...





Sometimes I wonder why

I'm so full of these endless rhymes

About the way I feel inside

I wish...

Sometimes...












































Comentários

Thiago disse…
Kuky e rebeldia, qual a novidade?
beijos
Carlos disse…
A Música abaixo, de um tempo quando o mundo ainda era em P&B, fala por mim...
http://www.youtube.com/watch?v=58iKc9CZOo8
Que foto ESPETACULAR!!!
Um Beijo em cada um daqueles ossinhos no final (ou no começo) da nuca!
Anônimo disse…
eu sempre me identifico com aquilo q vc escreve.
Beijos
Amandinha
Roberto disse…
Sorriso de giz :)
Olá Blogueiro,

As enchentes fizeram centenas de vítimas nos últimos dias. Para impedir que a situação se agrave é preciso que os sobreviventes saibam como lidar com esta realidade e tomar as medidas de prevenção necessárias para evitar doenças graves. E você, blogueiro, pode ser nosso parceiro nessa divulgação e nos ajudar a salvar vidas. Caso queira participar desta ação, entre em contato com ocomunicacao@saude.gov.br que enviaremos o material necessário.

Postagens mais visitadas deste blog

simpatia para parar de chover

Só para seguir a tradição, chove. Nos primeiros dias das minhas férias na praia é sempre o que acontece. O primeiro dia geralmente tem um sol sedutor, um calor de matar, mar lindo. Depois chove. Eu gosto de chuva. Mesmo na praia, mesmo de férias. Mas também gosto de aproveitar o mar, a areia, gosto de caminhar, de tostar no sol e ficar enfarofada junto com o meu filho, usar chinelos em vez de galochas.
Por isso aprendi várias simpatias!
Sueli, que trabalha na minha casa desde a pedra fundamental, disse que se deve jogar um punhado de sabão em pó no telhado. Pedir para Santa Luzia limpar o tempo. Já fiz isso. Considerando o preço do sabão em pó, gostaria de saber se a santa poderia limpar o tempo com sabão em barra. Sem falar que no ano passado sofri um pequeno acidente Bem na horinha que fui jogar o sabão, bateu um vento que trouxe todo o pozinho azul direto para o meu rosto. Nunca tive olhos e boca mais brancos! Sem manchas desde a primeira lavagem.
A avó do meu amigo Felipe, Dona Sa…

a noiva do vento

Peça para uma criança definir o vento. Eu apenas acreditava na existência real do ar quando ele virava vento. Quando era tomado de força, ganhava forma, movimento, atiçava a minha curiosidade. A observação do vento ainda atrai os pequenos. Na pracinha aqui perto havia uma menina sentada à sombra com a mãe. Olhava com atenção as folhas secas que trocavam de lugar no chão. Nem balanço, nem gangorra, a garota estava descobrindo o vento.
O vento tem intimidade com a paixão.
Oskar Kokoschka pintou A NOIVA DO VENTO com pinceladas desesperadas, cores nervosas, num quadro que emoldura a própria enxaqueca do abandono. Na obra, uma mulher adormecida sobre um corpo masculino, cujos olhos não passam de órbita vazia – tradução da ausência de vida. A mulher não o deixa, mesmo que ele já a tenha deixado. Mesmo que ele já esteja morto. A ausência de qualquer conotação sexual pela ausência de cores quentes (vermelho, laranja) e o excesso de tudo aquilo que pode faltar, que remete ao gelo e à solidão pe…

joelho

Coisa bem feia é joelho. Não me afeiçoa a palavra, nem a parte do corpo, em que pese reconheça a importância. Tanto reconheço, que se eu jurar algo pelos meus joelhos, será verdade. Justifico: me falta a memória para lembrar quando a expressão surgiu, talvez, nos idos de 2010. Acho. Eu fui muito dramática em 2010.
Pode ser que, embalada por um café passado, quase frio e sem açúcar, não menos amargo que a pauta da conversa com um amigo, tenha surgido a dúvida sobre algum sentimento que profetizei.
“Jura" - ele deve ter perguntado. “Pelos meus joelhos, juro pelos meus joelhos!” - lembro de ter respondido.
Os joelhos são feios e úteis. São complicados e importantes. Entre o fêmur, a tíbia e a fíbula; colaterais, cruzados e meniscos. É como o amor. Entre o eu te amo, a entrega e a vida; medos, expectativas, preservação.
Por que as crianças estão sempre com os joelhos ralados? Porque são destemidas. Até que se abra o primeiro corte, que se faça a primeira cicatriz. Até que o pai advirta.E…